Fórmula 1 discute o seu futuro hoje em Paris

liviooricchio

23 de junho de 2009 | 16h14

23/VI/09
Livio Oricchio

Os 23 membros que compõem o Conselho Mundial da FIA não sabiam até ontem à noite o que o presidente da entidade, Max Mosley, irá propor para discutir, hoje, na sua reunião, em Paris. Tamas Rohonyi, representante convidado do Brasil, comentou: “Max Mosley não nos adiantou o seu discurso de amanhã (hoje), apenas nos disse que tentará reelerger-se se não houver acordo com as equipes.”

Já Luca Colajanni, da Ferrari, definiu como “pura especulação” o calendário que chegou a ser divulgado como sendo da associação dos times, Fota: “Absolutamente não é verdade”, disse o assessor de Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari e da Fota.

Domingo, em Silverstone, Mosley sentiu na pele o que a Fórmula 1 pensa dele. Ninguém conversou com o presidente da FIA. Foi constrangedor vê-lo sendo rejeitado no grid, antes da largada. Hoje, em Paris, seu antigo aliado, hoje profundo desafeto, Luca di Montezemolo, vai representar mais que a Ferrari no encontro, mas a Fota.

Mosley já adiantou que para alterar o que foi aprovado pelo Conselho Mundial, dia 29 de abril, essencialmente a origem de todo problema, por não corresponder ao que desejam as escuderias, só poderá ser revisto se as duas que se inscreveram, Williams e Force India, mais as três estreantes concordarem. São elas: US F1, dos Estados Unidos, Campos, Espanha, e Manor, Inglaterra.

Flavio Briatore, diretor da Renault e responsável pela área comercial da Fota, comentou em Silverstone. “Nós não temos nada a dizer. Quinta-feira a Fota vai se reunir, em Bolonha, e dar sequência às medidas necessárias para nosso campeonato. Se Max tem algum interesse em mudar as coisas, é simples, é só aceitar nossa proposta, que é muito sensata, aliás.”

Na Inglaterra se dava como certo que a Sky TV, rede de TV a cabo, será a responsável pela geração das imagens das corridas. E a conceituada empresa internacional promotora de eventos, AMG, está em negociação com a Fota. A pauta da reunião da Fota, amanhã, discutirá essas questões. Contatos com promotores de corridas também já se encontram em curso e, ainda em Silverstone, vazou a informação de que algumas provas já estão praticamente acertadas.

Os valores que a Fota cobrará serão muito menores que os da FOM. Vão estar no calendário da Fota em 2010: Mugello, Monza, Hockenheim, Magny-Cours, Indianápolis, Montreal, Silverstone, Jerez de la Frontera, Portimão e Abu Dhabi, por enquanto.

Tudo isso pode mudar se, de repente, FIA e Fota encontrarem, hoje, uma maneira de atender aos interesses dos dois lados, o que até agora não foi possível principalmente por conta da intransigência de Mosley. O inglês, por exemplo, exigiu que as equipes da Fota, oito das dez existentes hoje, se inscrevessem sem condicionar sua participação a aceitar as suas regras. Os dirigentes da Fota não confiam em Mosley e responderam com a criação de seu próprio campeonato.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.