Fota e FIA podem anunciar, nesta sexta-feira, a paz na Fórmula 1

liviooricchio

28 de maio de 2009 | 18h31

28/V/09

A possibilidade existe: Fota, associação das equipes de Fórmula 1, e FIA, anunciarem nesta sexta-feira, último dia de inscrição para o campeonato de 2010, terem chegado a um acordo quanto ao regulamento da próxima temporada, razão da luta pública entre ambas. Mais: os nove times que não garantiram vaga – a exceção foi a Williams – se inscreverem em bloco. Até ontem de manhã não havia nada preto no branco, mas Max Mosley, presidente da FIA, afirmou, depois, “terem havido enormes avanços nas negociações”.

O acordo deve contemplar os interesses dos dois lados, a fim de repassar a imagem para a opinião pública mundial de que não há um perdedor na disputa para impor as regras do jogo. Mosley estabeleceu, em princípio, £ 40 milhões como teto orçamentário, motivo das acusações recíprocas que se seguiram. O regulamento de 2010 não terá limite de investimento, mas a Fota garante que, com as restrições de desenvolvimento que vai anunciar, as equipes de melhor orçamento não vão gastar mais de 120 milhões de euros, metade do que investirão este ano.

Mosley concordou com a prorrogação do teto orçamentário para 2010 e com valor superior ao pretendido por ele. Em contrapartida, se hoje for anunciada a paz, Fota e FIA vão informar que Campos, USGP e outro time que se inscrever, como Prodrive, receberão equipamento e assistência técnica das grandes escuderias, exigência do dirigente, atendida pela Fota com parte do acordo.

Existe a chance, lógico, de as negociações não terem sido finalizadas, ainda, e apenas Brawn GP e Force India se inscreverem hoje. Apesar de já ter declarado que não estenderia o prazo para as inscrições, Mosley não terá alternativa a não ser aceitar depois os interessados.

O mais importante para quem gosta de Fórmula 1 é saber que hoje a possibilidade de pelo menos 24 carros alinharem no grid, em 2010, podendo chegar a 26, é muito maior que a iminência de um racha entre as equipes e a FIA. E se a Renault sair, pode acontecer, Flavio Briatore assume o time, como fez Ross Brawn com a Brawn GP.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: