Frio inesperado pode embaralhar as cartas em Istambul

liviooricchio

08 de maio de 2008 | 20h11

Reportagem de F-1: Outro duelo Massa x Raikkonen
GP da Turquia
Livio Oricchio, de Istambul

Início
Felipe Massa e Kimi Raikkonen, a dupla da Ferrari, procurou, ontem no circuito Istambul Park, reduzir a força da sua equipe na quinta etapa do campeonato. Mas até seus adversários reconhecem que será difícil vencê-los domingo. A Ferrari vem de duas dobradinhas, Bahrein e Espanha, e Massa ganhou as duas últimas edições do GP da Turquia. Há apenas um fator que pode interferir no favoritismo dos dois pilotos que dominam, agora, o Mundial: o frio. Ontem a temperatura não passou dos 15 graus.
“É um fator novo, sim, e os pneus são os mesmos do ano passado, concebidos para temperaturas mais elevadas, mas é igual para todos”, disse Raikkonen, líder da competição, com 29 pontos diante de 18 de Massa, quarto colocado. “Os pneus duros podem não atingir a temperatura ideal de aderência e os moles soltarem aqueles filetinhos de borracha, causando perda de aderência”, explicou Massa, lembrando, como o finlandês, que isso pode afetar a todos. A exemplo do companheiro, afirmou que a sessão classificatória, sábado, deverá definir o vencedor da prova.
“Vimos nas últimas etapas que tem sido assim e aqui não será diferente”, falou Massa. “É normal eu e meu engenheiro ficarmos pensando no que fazer para conseguir ser mais rápido na tomada de tempo e ter uma boa estratégia para a corrida.” Dessa equação deverá sair o ganhador da etapa turca, caso BMW e McLaren, em especial, não se aproveitem melhor dessa variável nova, a temperatura mais baixa do esperado.
A McLaren vai com força total para o GP da Turquia. Apesar do acidente impressionante de Heikki Kovalainen em Barcelona, há duas semanas, ontem o exame realizado pelo delegado médico da FIA, Jean-Charles Piette, o aprovou para correr. Norbert Haug confirmou que a causa do acidente foi a quebra da roda dianteira esquerda. O pneu estourou depois. Ela é produzida pela empresa Enkei.
Em função de a Super Aguri não disputar a prova, por falta de recursos, a sessão classificatória foi modificada. Agora, na primeira fase, caem fora os cinco mais lentos e não os seis. O mesmo vale para a segunda parte. Assim, na final, concorrem os dez mais rápidos.
Rubens Barrichello riu dos rumores de que Takuma Sato o substituirá na equipe Honda. “É só comparar o que ele fez com o que eu fiz”, disse. E anunciou que negocia novo contrato. Seu fim de semana será de festa. Vai se tornar o piloto com maior número de GPs da história. “Vêm a minha esposa, os filhos, minha mãe, meu pai, temos motivo para comemorar. Muitos pilotos, capazes também, brasileiros e estrangeiros, chegaram na Fórmula 1 e não estão mais. É porque tenho meu valor. Se talvez tivesse sido menos bonzinho no início, até na Ferrari, quem sabe eu teria obtido melhores resultados.”
Hoje haverá duas sessões livres. A diferença de fuso horário para Brasília é de seis horas. Os treinos se realizam a partir das 4 e das 8 horas.
FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.