Há 50 anos morriam, em Monza, Von Trips e 14 espectadores

liviooricchio

09 de setembro de 2011 | 19h54

09/IX/11

Livio Oricchio, de Monza

  Tudo está bem documentado, até com vídeos. No GP da Itália de 1961, em Monza, morreram, na segunda volta da corrida, o alemão Wolfgang Von Trips, da Ferrari, na luta pelo título com o companheiro, o norte-americano Phil Hill, e 14 espectadores. A edição da prova, este ano, lembra o ocorrido no mesmo autódromo há exatos 50 anos.

  Na reta que antecede a Parabólica, Von Trips e Jim Clark, da Lotus, se tocaram e o alemão mudou a trajetória para a leve colina que havia acompanhando a reta. A mais de 200 km/h, a Ferrari decolou na rampa de terra e, como uma hélice de helicóptero, girando, foi atingindo as pessoas que assistiam à prova. Von Trips perdeu a vida quando o carro voltou-se na direção do asfalto novamente, com as rodas para cima.  

  O mais impressionante vem a seguir. O GP da Itália não foi interrompido. Não havia comunicação por rádio entre piloto e equipe. Hill recebeu a bandeirada depois de 43 voltas em primeiro e conquistou o título mundial, o primeiro de um piloto dos Estados Unidos. Assim que deixou o cockpit, com os mecânicos e promotores do evento em festa ao seu lado, afinal era o campeão, Hill perguntou do companheiro e amigo, conforme descreveu depois o piloto da Califórnia. “E Trips?” O pessoal a sua volta respondeu: “Vamos lá, a torcida quer você no pódio para comemorar”. A Ferrari havia sido campeã diante dos tifosi.

  Hill ficou devastado ao saber que Von Trips e 14 espectadores haviam falecido. Até o papa João XXIII emitiu nota condenando a insensibilidade dos envolvidos no ocorrido. A justiça italiana, a exemplo do que fez quando Ayrton Senna morreu, em 1994, encontrou culpados no trágico episódio. E concluiu que Clark deveria ser processado, como foram em 1994 o projetista da Williams, Adrian Newey, e o diretor-técnico da equipe, Patrick Head.

  Nos dois casos as acusações foram, anos mais tarde, arquivadas. No GP de San Marino, Senna foi levado com vida, ainda, para o Hospital Maggiore de Bolonha. Da mesma forma, não interromperam a corrida.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.