Hamilton diz sentir-se ainda mais estimulado para conquistar o título

liviooricchio

17 de janeiro de 2009 | 17h43

17/I/09
Livio Oricchio, de Madonna di Campiglio, Itália

O campeão do mundo, Lewis Hamilton, afirmou ontem no lançamento do modelo 2009 da McLaren, na sede da equipe, em Wolking, Inglaterra, que se sente ainda mais estimulado para voltar a vencer o campeonato na Fórmula 1. “Eu não sento aqui (apontando para o novo carro) e digo que conquistei o título. Sento e afirmo que desejo ser campeão.”

A exemplo do que fizeram Ferrari, segunda-feira, e a Toyota, quinta-feira, a McLaren lançou o monoposto com que pretende ganhar o Mundial novamente na sua própria sede, sem maiores investimentos. O grupo coordenado pelo engenheiro Neil Oatley, da época de Ayrton Senna ainda na McLaren, talvez tenha sido o que há mais tempo iniciou os estudos das necessidades do novo regulamento. Como a Ferrari F60 e a Toyota TF109, o MP4/24, ao menos aparentemente, não incorpora nada revolucionário, como se espera, por exemplo, do carro da Red Bull, concebido pelo criativo engenheiro Adrian Newey.

Ao mesmo tempo em que apresentava seu modelo 2009, Ron Dennis, sócio da McLaren, anunciou que está deixando a função de diretor geral da equipe. Dennis foi quem contratou Ayrton Senna, no fim de 1987, descontente com a Lotus. Com Dennis, Senna foi campeão em 1988, 1990 e 1991. O ex-mecânico-chefe de Jack Brabham, nos anos 60, tornou-se sócio da McLaren em 1980 e tornou a equipe um modelo de organização. A passagem notável de Dennis pela Fórmula 1 ficou manchada, ano passado, com o escândalo de espionagem envolvendo seu projetista-chefe, Mike Coughlan, e o ex-líder dos mecânicos da Ferrari, Nigel Stepney. Dennis sabia de tudo.

Hamilton começará a conhecer o potencial do MP4/24 segunda-feira no circuito de Portimão, em Portugal. Já a Ferrari mudou a sequência dos trabalhos com o F60 de Portimão para Mugello, também a partir de segunda-feira, alegando que a previsão do tempo para a região do Algarve é de chuva para os próximos dias.

O presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, está em Madonna di Campiglio, Itália, no encontro da escuderia com a imprensa. Bernie Ecclestone pela primeira vez acompanhou o extraordinário evento, que teve, ontem, corrida de kart sobre lago congelado. Venceu Casey Stoner, piloto da Ducati, da MotoGP, com Felipe Massa em segundo. Massa liderava no final quando…”meus pés congelaram, não conseguia mexê-los mais”.

Stoner tinha a mão esquerda, da mesma forma, tão comprometida por causa do frio que pensou em parar. No pódio, não podia movê-la. A temperatura na hora da competição era de 4 graus negativos, mas ventava. “O macacão não oferece muita proteção para um frio desses”, disse Massa em outras edições do evento. Kimi Raikkonen, com febre, não participou da corrida, a fim de se preservar para os testes com o modelo F60, que agora serão em Mugello e não mais em Portimão, a partir de amanhã.

Montezemolo comentou em Madonna di Campiglio o que a organização das equipes, Fota, presidida por ele, defende: “Não podemos modificar o regulamento a cada seis meses. A Fórmula 1 necessita de estabilidade, seriedade, espetáculo e viabilidade financeira.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.