Hamilton: sobrou piloto, sobrou carro.

liviooricchio

20 de julho de 2008 | 17h59

20/VII/08
GP da Alemanha
Livio Oricchio, de Hockenheim

O pessoal da Ferrari esfregou as mãos esperando por nova vitória de Felipe Massa quando a direção da McLaren orientou Lewis Hamilton, líder absoluto, a não entrar no box no momento em que o safety car entrou na pista, na 36ª volta. “Eu também não entendi. Fez a minha vida muito mais difícil”, afirmou o jovem inglês depois da prova em que foi brilhante, como já tinha sido em Silverstone, dia 6.

Hamilton fez o segundo pit stop na 50ª volta, a 17 da bandeirada, e voltou em 5º, atrás de Nick Heidfeld, BMW, também por fazer a parada, Nelsinho Piquet, Felipe Massa, e Heikki Kovalainen. O alemão parou na 53ª volta nos boxes, de forma que Hamilton precisou ultrapassar os três adversários para ganhar o GP da Alemanha. Agradeceu o parceiro por facilitar a manobra, na 52ª volta.

“Tive o melhor carro até aqui este ano. Estava muito rápido mesmo, a equipe fez um trabalho fantástico. Com as modificações, pensávamos em encostar na Ferrari, ficar no mesmo nível, mas aqui fomos melhores.”

Seu ritmo alucinante no início o surpreendeu. “Não tínhamos nenhuma indicação nos testes da semana passada, bem como no fim de semana de que poderíamos abrir essa diferença”, falou Hamilton. Na 51ª volta, depois do seu segundo pit stop, estava 4 segundos e 826 milésimos atrás de Massa.Na 56ª, já estava “colado” na traseira da Ferrari. E na passagem seguinte deixou o brasileiro para trás.

Não quis saber de falar de favoritismo depois de a McLaren demonstrar força para assustar Felipe Massa e Kimi Raikkonen. “Vimos como as coisas mudam rápido no campeonato, não há outra saída a não ser continuar trabalhando como estamos.” Se a Ferrari não reagir já, Hamilton mostrou, ontem, que com sua maior maturidade e o carro que tem terá grandes chances de ser campeão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.