Hamilton vence corrida espetacular: quatro equipes lutaram pela vitória

liviooricchio

18 de abril de 2011 | 03h38

18/IV/11

Livio Oricchio, de Xangai

  Com recursos artificiais ou não, a realidade é uma só: o GP da China, vencido ontem por Lewis Hamilton, da McLaren, foi a corrida mais espetacular dos últimos tempos na Fórmula 1. Hamilton, Sebastian Vettel, da Red Bull, segundo, Jenson Button, McLaren, quarto, Nico Rosberg, Mercedes, quinto e um Felipe Massa, Ferrari, de novo na versão 2008, veloz e seguro, sexto, ofereceram um espetáculo raro: lutaram acirradamente pela vitória, contra tudo o que a classificação do grid, sábado, sugeria.

Para temperar ainda mais o show, Mark Webber, companheiro de Vettel, completou o pódio, em terceiro, depois de largar em 18.º. A mensagem foi dada: nessa nova Fórmula 1, as ultrapassagens são possíveis e a posição de largada, em circuito onde há ao menos uma reta longa, é menos importante do que manter ritmo veloz durante a corrida. Mais: é fundamental acertar a hora do pit stop. Uma volta a mais ou a menos do pneu pode fazer toda a diferença.

  “Eu não acreditei quando alcancei Sebastian. Aproveitei absolutamente cada segundo da prova, cada uma das muitas batalhas em que me envolvi”, foram algumas das declarações de Hamilton, para quem a etapa de Xangai, terceira do campeonato, não sera esquecida tão cedo. Um problema de vazamento de combustivel detectado antes de deixar os boxes por muito pouco não o faz largar dos boxes.

“Vi os mecânicos trabalhando rápido para resolvê-lo e procurei passar calma. Apenas perguntei quantos minutos faltavam e me responderam seis.” O jovem inglês, campeão do mundo de 2008, deixou a área de boxe 30 segundos antes do fechamento. Os técnicos concluíram o trabalho no grid.

“Diante da possibilidade de nem largar do grid e de dispor de um carro que era um desastre, que não conseguia completar 20 voltas na pré-temporada, ganhar hoje, superar Vettel, me dá uma alegria impensável”, disse Hamilton, vice-líder do Mundial, com 47 pontos diante de 68 de Vettel, vencedor das duas primeiras provas, Austrália e Malásia.

  O alemão, atual campeão do mundo, brincou com a tampinha de garrafa de água sobre a mesa durante a entrevista dos três primeiros colocados. É a senha para a imprensa saber estar desapontado. “Hoje erramos, o que é normal. Eu não larguei bem, usando o Kers (sistema de recuperacao de energia, capaz de disponibilizar 80 cavalos extras de potencia), e nossa estrategia é algo para ser estudada”, afirmou Vettel.

  E emendou: “Velocidade nós tinhamos, basta ver o que fez Webber”, falou, claramente criticando a escolha de duas paradas da equipe, enquanto Webber, com três, ganhou 15 colocações. Hamilton, o vencedor, também fez tres pit stops. “Aprendemos muito aqui, hoje”, disse Vettel, que confirmou ter utilizado o Kers em cerca de metade da competição apenas.

  Lamentou ter perdido alguns preciosos segundos ao alinhar o carro da Red Bull para a primeira parada, na 13.ª volta de um total de 56, e ver a McLaren de Button no lugar errado, na sua vaga. “Precisamos estudar essa predileção de outros pilotos estacionar no meu time. Uma Toro Rosso já fez o mesmo comigo”, comentou Vettel. Jaime Alguersuari, da Toro Rosso, enganou-se no GP de Abu Dabi de 2009 e parou na Red Bull quando Vettel entrou também para o seu pit stop.

O primeiro lugar de Hamilton na China quebrou uma série de quatro vitórias seguidas de Vettel, nas duas ultimas provas de 2010 e as duas iniciais deste ano. Assim como faz do inglês da McLaren o primeiro a ganhar a etapa de Xangai duas vezes desde a entrada no calendario, em 2004. Foi a 15.ª vitória de Hamilton na Fórmula 1.

 A próxima corrida será na Turquia, dia 8 de maio, quando as equipes vão apresentar uma nova versão de seus carros, baseada nos ensinamentos das três etapas já disputadas. Quem gosta de Fórmula 1 vai torcer para Red Bull, McLaren, Ferrari e Mercedes apresentarem desempenho semelhante ao de ontem, ou seja, todos muito próximos. Será a garantia de novos espetáculos grandiosos.

*Texto atualizado às 19h27 de 19 de abril

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.