Introdução ao Mundo Técnico

liviooricchio

17 de agosto de 2006 | 15h31

Olá amigos!

Ainda vou realizar o meu Manual Técnico de Fórmula 1, mas enquanto ele não sai, vamos abordar esse fascinante universo da tecnologia capítulo a capítulo. Não se assuste. Não vou falar para engenheiros, mesmo porque esse não é o meu nível, sou jornalista, lembra?, mas para você, leitor, que como eu gosta, provalvemente ama, esse esporte, o automobilismo. Vamos partir da premissa de que você não domina nem conceitos, mesmo os mais básicos. De forma bastante didática, iremos descrever princípios aerodinâmicos, mecânicos, eletrônicos, pneumáticos, falaremos dos materiais, base dos estudos da Fórmula 1, e a partir daí crescer com a informação técnica. Tudo ilustrado com desenhos esquemáticos e fotos. A cada mês um capítulo novo. Dá muito trabalho fazer e meu tempo, considerando o que esse mesmo Blog exige, para não dizer do restante , é escasso.

Garanto que você compreenderá o que vamos expor. E, se não for o caso, escreva, não tenha vergonha de dizer “não entendi.” Eu faço isso regularmente, apesar dos meus cerca de 220 GPs de experiência. Escreva e nós procuraremos ser ainda mais claros. O automobilismo, em especial a Fórmula 1, impõe, para melhor compreensão do que se passa na pista, o conhecimento de aspectos do regulamento técnico, dos incríveis materiais utilizados na construção dos carros, cada vez mais leves e resistentes, e caros, sem falar da sua raridade, e como disse acima, vários dos princípios que orientam a concepção e desenvolvimento dos projetos. Dominá-los é tirar maior proveito da competição. É compreender melhor o que está se passando. É poder antecipar o que está por vir. É aumentar ainda mais o prazer oferecido pela Fórmula 1.

Hoje já está no ar o primeiro capítulo do Mundo Técnico: “Introdução ao universo da aerodinâmica.” Por que logo esse? Simples: porque eu, como muitos técnicos, consideram a aerodinâmica, os novos materiais utilizados nos carros e a introdução da ultraeletrônica a maior revolução experimentada pela Fórmula 1. Vamos começar, por exemplo, descrevendo o princípio das asas, por que elas geram pressão aerodinâmica, quando descobriram que, invertendo-as, poderiam ser utilizadas na Fórmula 1. Mais para a frente no capítulo da aerodinâmica chegaremos ao túnel de vento, hoje, a primeira providência para quem deseja criar uma equipe, tal a sua importância.

O que você verá no Mundo Técnico não é a reprodução de publicações já existentes, ao menos da forma como será apresentada. É, sim, fruto do conhecimento adquirido nesses 16 anos ininterruptos seguindo o Mundial, sem contar as várias corridas que esporadicamente cobri antes de 1991, e do meu enorme interesse pelo universo da tecnologia empregada ou mesmo desenvolvida pela Fórmula 1.

Claro que vou recorrer a vários livros para melhor compreender, antes, o que quero lhes contar. E, por que não, solicitar ajuda a alguns de meus mestres, como Mike Gascoyne, imagine, mandado embora da Toyota, Steve Nielsen, chefe de equipe Renault, Jacky Eeckelaert, chefe dos engenheiros de pista da Honda, Frank Dernie, engenheiro da Williams, Charlie Whiting e Herbie Blash, da direção de prova e diretoria de segurança da Fórmula 1, Rogério Gonçalves, engenheiro da Petrobras, Gary Hartstein, médico-chefe da competição, dentre outras fontes que tenho liberdade de consultar. Será um desafio. Mas um desafio que, confesso, não representa nenhum sacrifício. Ao contrário, um imenso prazer.

Abraços

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: