Jogo de equipe provoca vaias em Xangai

liviooricchio

19 de outubro de 2008 | 13h52

19/X/08
GP da China
Livio Oricchio, de Xangai

Muita gente vaiou a equipe Ferrari na 49ª volta do GP da China, ontem, quando Kimi Raikkonen tirou o pé do acelerador, no fim da reta do circuito de Xangai, para Felipe Massa ultrapassá-lo a fim de receber a bandeirada em segundo lugar. Curiosamente, o maior adversárior de Massa, o inglês Lewis Hamilton, saiu em defesa do time italiano: “Eles formam uma equipe. Se meu companheiro de McLaren, Heikki Kovalainen, estivesse liderando nós provavelmente teríamos feito o mesmo”.

Stefano Domenicali, diretor-esportivo da Ferrari, não se esquivou de responder a nenhuma pergunta sobre a decisão de inverter as colocações dos seus pilotos. “Você não se lembra o que aconteceu entre Hamilton e Kovalainen no GP da Alemanha?”, perguntou ao repórter que desejava saber sua opinião sobre a “ordem de equipe”. Na etapa de Hockenheim, Kovalainen da mesma forma abriu caminho para Hamilton ultrapassá-lo.
“Não precisamos dizer nada a nossos pilotos, eles sabem que os interesses da equipe estão acima de todos os demais”, falou Domenicali.

Ainda está bem viva na memória dos fãs da Fórmula 1 o ocorrido no GP da Áustria de 2002, com a Ferrari também, quando Rubens Barrichello dominou o fim de semana de corrida para a metros da bandeirada frear para Michael Schumacher vencer. “A situação hoje é completamente distinta”, lembrou o italiano. Raikkonen está fora da luta pelo título e se ele for segundo ou terceiro não muda nada para ninguém, a não ser para a possibilidade de Massa ser campeão, argumentou. “Nossas decisões foram todas transparentes, os motivos que as geraram são absolutamente justos”, falou o dirigente.

“Não foi difícil para mim porque para nossa escuderia seria melhor Massa somar mais pontos”, falou Raikkonen. “Para a minha temporada cheia de problemas não muda nada.” Massa também falou: “Disputamos os campeonatos de pilotos e de construtores”, lembrou. “Como pilotos profissionais, visamos à conquista dos dois e para isso temos de compreender o que mais convém à equipe.”

Ano passado, na etapa de Interlagos, Massa parou no box para o segundo pit stop como líder e estabeleceu tempo elevado na volta de retorno à pista para que Raikkonen realizasse sua parada e conseguisse sair dos boxes na sua frente. A vitória garantiu o título ao finlandês e à Ferrari. Ontem foi a vez de Raikkonen trabalhar para Massa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.