Kimi foi o mais rápido, mas o tempo de Vettel, o que mais impressionou

liviooricchio

08 de fevereiro de 2013 | 19h18

08/II/13

Jerez de la Frontera
Três campeões do mundo estiveram na pista, ontem, no último dia da primeira série de testes da pré-temporada, em Jerez de la Frontera, na Espanha. E dois deles estão entre os mais sérios candidatos a conquistar o título este ano: Kimi Raikkonen, da Lotus, autor da melhor volta, 1min18s148 (83 voltas), e o tricampeão Sebastian Vettel, da Red Bull, terceiro mais rápido, 1min18s565 (96).

O outro é Lewis Hamilton, no segundo treino com a Mercedes. Desta vez pelo menos conseguir permanecer na pista. Quarta-feira, os freios falharam e ele bateu de frente. Não se feriu, mas deu apenas 15 voltas. Ontem completou nada menos de 145 voltas, com 1min18s905 na melhor, sexto.

Os tempos não expressam o potencial de cada equipe nesse início de preparação para o campeonato que vai começar dia 17 de março na Austrália. Vettel, por exemplo, registrou sua marca com os pneus duros da Pirelli, enquanto Raikkonen, os macios, assim como Hamilton. “Estamos preocupados com nós mesmos. Temos as referências do ano passado, o que nos permite compreender quanto avançamos”, afirmou Vettel. “O importante é que não enfrentamos problemas de quebras no carro, a exemplo de 2012. Diria que começamos, nesse aspecto, melhor.”

Quando ao desempenho, o alemão de apenas 25 anos comentou: “Precisamos esperar os testes de Barcelona. Esta pista é particular. E mesmo assim só saberemos mesmo o que cada um pode fazer este ano na Austrália”. Felipe Massa foi substituído ontem pelo espanhol Pedro de la Rosa para pilotar a Ferrari F138. Massa acredita que Vettel não vai expor o potencial do modelo RB9 da Red Bull em nenhum momento antes de o Mundial começar. Apesar de Vettel não ter sido primeiro em nenhum dos quatro dias, os tempos verificados nas suas séries seguidas de volta sugerem que a Red Bull tem, nesse momento, o equipamento mais veloz e equilibrado. Sua marca com pneus duros e não muito leve, com costuma treinar a Red Bull, é relevante.

A Lotus dá indícios de não estar tão atrás da Red Bull, como ocorreu no fim do último campeonato. “Perdemos algum tempo nos dois dias que andei para acertar minha posição de pilotar”, explicou Raikkonen. “Hoje (ontem) de manhã pudemos já trabalhar no acerto do carro e à tarde fiz séries longas de voltas.” O modelo E21-Renault da Lotus representa um passo adiante em relação ao de 2012. Para a imprensa finlandesa, afirmou: “Partimos de uma base ainda melhor este ano. Se a desenvolvermos bem podemos lutar pelas vitórias”.

Pouco antes de iniciar a segunda parte do treino, ontem, no começo da tarde, Hamilton conversou com os jornalistas. Pelo primeira vez pôde sentir o modelo W04 da Mercedes, pela manhã. “Vou sempre cobrar de nosso grupo maior pressão aerodinâmica. Nos falta muito em relação a McLaren que estava acostumado”, afirmou. “Estamos onde imaginava que estaríamos. A base do W04 é boa para crescer.” Com o carro que seria seu, na McLaren, o mexicano Sergio Perez percorreu 98 vezes a pista e marcou 1min18s944, sétimo tempo. Como disse quarta-feira, o que Perez mais deseja é aprender a trabalhar numa organização como a McLaren e conhecer o MP4/28.

Luiz Razia realizou ontem seu segundo treino na Marussia. “Demos menos voltas do planejado (82 a 118), mas é normal num carro novo. Foram três séries de voltas na configuração de corrida e uma na de classificação, mas com o carro meio pesado”, explicou Razia. O importante é que o carro não ficou parado nos boxes, piloto e equipe puderam ganhar quilometragem. O companheiro de Razia, o inglês Max Chilton, é também estreante.

“A Marussia tem o apoio técnico da McLaren, agora, e há um extenso programa de desenvolvimento do nosso carro até o campeonato começar.” Sua equipe lutará com a Caterham para não ser a última colocada. Ontem, Razia obteve o tempo de 1min21s226, apenas 121 milésimo pior que o de Charles Pic, da Caterham, mas o piloto francês já tem a temporada passada de experiência na Fórmula 1.

Os carros voltam à pista de 19 a 22, no Circuito da Catalunha, em Barcelona.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.