Kimi já havia dito que pode mesmo parar de correr no fim de 2009

liviooricchio

30 de maio de 2008 | 22h59

30/V/08

Olá amigos:

Na quinta-feira da semana do GP da Turquia, entrevistei Kimi Raikkonen no motorhome da Ferrari, junto de outros três jornalistas. Por cerca de meia hora batemos um belo papo. Kimi estava à vontade e abordou temas que normalmente os evita, como falar de sua vida pessoal.

Sobre seu futuro, afirmou, palavra por palavra: “Meu contrato com a Ferrari termina no fim de 2009. Não sei o que irá se passar, mas se estiver gostando ainda de correr, como agora, renovo, senão vou ver o que fazer da vida”. Eu lhe perguntei se considerava mesmo a possibilidade de parar já no fim da próxima temporada. E Kimi me respondeu: “Como disse, irá depender de como me sentir, mas pode ser, sim.”

Esse diálogo consta na reportagem que fiz com sua família na Finlândia, depois da etapa de Istambul, publicada pelo Estadão e JT dia 18 e disponibilizada no blog, com fotos, no dia seguinte. Quem não tem os jornais pode acessar o blog e confirmar a história. Esse mesmo diálogo foi reproduzido.

Na redação do Estadão recebemos material enviado pela maioria das agências internacionais. Li nos textos que a imprensa alemã publicou, hoje, sexta-feira, que Kimi pode parar de correr ao término do seu contrato com a Ferrari. Não representa novidade para mim, portanto, que Kimi possa, mesmo, abandonar a Fórmula 1.

De 2001 até agora deve ter recebido cerca de US$ 100 milhões entre contrato com suas equipes, Sauber, McLaren e Ferrari, e patrocinadores pessoais. Dinheiro que lhe permite refletir sobre a necessidade de suportar o que não gosta na Fórmula 1: “A imensa exposição a que estamos sujeitos. Se não tivesse de passar por isso seria perfeito.”

Pessoalmente não acredito que pare de correr. Kimi ama pilotar. E ainda que odeie ter de cumprir compromissos promocionais e ver tudo o que faz ser monitorado por parte da imprensa, tenho comigo que o prazer que tem ao controlar o carro a mais de 300 km/h o fará permanecer na Fórmula 1 por mais dois campeonatos, extensão de seu novo contrato. Mais: não se despreza a possibilidade de receber US$ 25 milhões por ano, como é o seu contrato com a Ferrari e deverá ser o que estenderá a relação entre ambos em 2010 e 2011.

Bem, mas essa é apenas uma impressão pessoal, baseada no que conheci de Kimi nesses anos de relação profissional, estreitada, sem dúvida, por ele concordar com o meu pedido de entrevistar sua família em Espoo e visitar sua residência. Seria um desperdício para a Fórmula 1 perdê-lo, mas que há chance de Kimi repensar se é isso mesmo que ainda deseja para si, ah existe, conforme ele mesmo nos contou.

Corta

Alguns comentários postados aqui, hoje, solicitam minha visão a respeito da informação de que Takuma Sato deverá substituir Nelsinho Piquet em duas corridas. Minha resposta: Não li, mas sem comentários, por favor.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.