Kimi vence e mostra a força da Ferrari

liviooricchio

23 de março de 2008 | 13h21

23/III/08
GP da Malásia
Livio Oricchio, de Kuala Lumpur

Início

A verdadeira força da Ferrari ficou clara, ontem, no 10º GP da Malásia: o campeão do mundo, Kimi Raikkonen, venceu com 19 segundos de vantagem para o ótimo polonês Robert Kubica, da BMW, e impressionantes 38 segundos para outro finlandês, o eficiente Heikki Kovalainen, da McLaren, terceiro. Era para ser a festa da resposta da Ferrari depois do desastre na Austrália, uma semana antes, mas Felipe Massa errou de novo e jogou fora a primeira dobradinha da equipe.

“Depois de ultrapassar Felipe no primeiro pit stop, realmente ficou fácil para mim”, afirmou Raikkonen. Até a primeira parada de Massa, na 17ª volta, o finlandês manteve-se atrás do brasileiro. Mas ao tornar-se líder, na passagem seguinte, na operação de pit stop, impôs o seu ritmo, melhor que o de Massa, tanto que quando Massa perdeu o controle da Ferrari na 30ª volta, Raikkonen já havia aberto 4 segundos e 940 milésimos. Como nenhuma outra equipe acompanhou de perto a velocidade da Ferrari na Malásia, restou a Raikkonen apenas administrar a enorme vantagem. Choveu forte, mas apenas no início da noite, conforme indicava a previsão do tempo das equipes.

Na largada, Massa, o pole position, e Raikkonen, segundo no grid, percorreram parte da grande reta lado a lado. “Sabia que faria meu pit stop uma volta depois, não valeria a pena arriscar na primeira curva. Se me mantivesse perto poderia ultrapassar Felipe na parada nos boxes. E foi o que aconteceu”, contou Raikkonen. “O mais importante é que nosso carro esteve ótimo o fim de semana todo e poderá ser assim em todo tipo de pista.”

A vitória não deu a Raikkonen a liderança do campeonato. Lewis Hamilton, McLaren, primeiro colocado na corrida de abertura do Mundial, terminou em quinto, ontem, e soma, agora, 14 pontos diante de 11 do finlandês, mesma pontuação do alemão Nick Heidfeld, da BMW, sexto ontem. Massa ainda não conseguiu nenhum ponto na temporada.

O novo diretor-esportivo da Ferrari, Stefano Domenicali, falou de seus adversários na Malásia: “A verdadeira novidade para a Fórmula 1 é a BMW, o que é muito bom para a nossa equipe.” Ontem Kubica realizou seu melhor trabalho na Fórmula 1 ao classificar-se em segundo. “Conquistamos o máximo de pontos que a BMW já obteve em uma prova e este é o nosso segundo pódio consecutivo. Se me perguntassem se isso seria possível depois dos primeiros testes com esse carro, diria não.” O polonês agradeceu os técnicos pelo avanço do modelo F1.08, mais eficiente que a McLaren, ao menos no circuito de Sepang.

O calor intenso de mais de 30 graus e a umidade média de 75% durante as 56 voltas do GP da Malásia fizeram com que os pilotos deixassem o cockpit em estado elevadíssimo de desgaste. “O nosso carro é muito quente, não pudia beber água por causa da sua temperatura, minhas últimas dez voltas foram terríveis”, explicou Kubica, no paddock, depois, sempre informal, sem o protocolo todo da Fórmula 1. Quando Domenicali elogiou a chegada da BMW ao grupo de frente, desejou dizer que roubará, como ontem, pontos da McLaren, o que para a Ferrari é bastante interessante.

Assim como Kubica, o italiano Jarno Trulli celebrou como uma vitória o quarto lugar na corrida. A Toyota não demonstrou nos testes de janeiro e fevereiro, a exemplo da BMW, estar em boa forma. “Consegui acompanhar o ritmo da McLaren no começo”, falou, a fim de mostrar a evolução do carro da Toyota. Trulli permaneceu em sexto depois da largada, atrás de Hamilton, e à frente de Kovalainen, ambos da McLaren. Hamilton perdeu 19 segundos no primeiro pit stop e caiu várias colocações. No final, estava pressionando Trulli para ultrapassá-lo. “Lewis tinha mais velocidade, mas dei tudo o que tinha e mantive-me a sua frente.” Fernando Alonso, da Renault, foi oitavo. A terceira etapa do calendário será dia 6, em Bahrein.

FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.