Lauda otimista com a Mercedes

liviooricchio

23 de fevereiro de 2013 | 04h54

23/II/13
Barcelona

Se existe uma equipe que está muito animada com os resultados da pré-temporada é a Mercedes. “Não quero dizer que estamos melhores que a Red Bull, ao que parece de novo dispõe do carro mais veloz, mas demos importante passo adiante em relação ao ano passado”, afirmou Niki Lauda, sócio e presidente do conselho administrativo do time alemão, com exclusividade ao Estado, no Circuito da Catalunha, em Barcelona, durante os testes da Fórmula 1.

“Nosso carro (modelo W04) nasceu bom, sem problemas crônicos, e com grande potencial para ser desenvolvido, que é o que estamos fazendo.” O ex-piloto austríaco, campeão do mundo de 1975 e 1977, com Ferrari, e 1984, McLaren, porém diz manter os pés na terra. “Acredito que nos colocamos no grupo onde está McLaren, Ferrari e Lotus. As diferenças entre nós são muito pequenas, assim como de nosso grupo para a Red Bull. Mas só saberemos, mesmo, se essa minha visão da atual ordem de forças está correta daqui a três semanas.”

Um fator que está interferindo de forma decisiva na preparação das escuderias é o frio. O asfalto da pista de Barcelona nunca ultrapassou os 25 graus e a maior parte do tempo ficou bem abaixo disso, o que impede de os novos pneus Pirelli atingirem a temperatura ideal de aderência, provocando elevado desgaste e mascarando o comportamento dos carros.

Dia 17 de março será disputado o GP da Austrália, etapa de abertura do Mundial. “Lá teremos a resposta à pergunta que todos fazem agora, quem deve começar melhor o campeonato”, comenta Lauda. Seu entusiasmo é o mesmo dos cerca de 500 integrantes do programa de Fórmula 1 da Mercedes, com base em Brackley, na Inglaterra.

E a chegada de Lewis Hamilton teve grande peso nessa confiança generalizada na disputa de um Mundial bem melhor que o do ano passado, quando somou 142 pontos, quinta colocada, diante de 460 da Red Bull, a campeã entre os construtores.

O piloto inglês campeão do mundo de 2008, pela McLaren, é do tipo de dar tudo de si da primeira volta do primeiro treino livre, sexta-feira de manhã, nos fins de semana de GP, à bandeirada na corrida, domingo. “Acredito que Lewis viu que o desafio de fazer a Mercedes vencer é grande, mas provavelmente menor do que imaginava. Começamos este ano num estágio mais avançado do que ele esperava”, diz Lauda.

“Vejo Lewis e Nico (Rosberg) trabalharem muito bem juntos. Como o carro nasceu bom, apesar dos problemas de resistência, ainda, esse início de trabalho positivo contagiou o grupo.” Mas Lauda faz questão de voltar a ressaltar que esse possível avanço da Mercedes pode não ser sufiente para permitir a Hamilton e Rosberg lutarem pelas vitórias. “Temos muita coisa para testar até Melbourne e não sabemos se será suficiente para nos fazer andar na frente porque não temos ideia precisa do estágio de nossos adversários.”

Nos quatro dias de testes em Jerez de la Frontera, também na Espanha, semana passada, a Mercedes completou com Hamilton e Rosberg 1.425,8 quilômetros. Quem mais treinou foi a Sauber, com 1.904,0 quilômetros. Os tempos não são muita referência, mas a melhor marca de Hamilton foi 1min18s905, com os pneus médios da Pirelli, e a de Rosberg, 1min18s766, com pneus macios. Felipe Massa com Ferrari F138 ficou em primeiro em Jerez, com 1min17s878, de pneus macios. Os níveis de combustível são desconhecidos.

Em Barcelona, depois dos quatro dias, entre Hamilton e Rosberg a Mercedes completou 335 voltas no traçado catalão de 4.655 metros de extensão, o que dá 1.559,4 quilômetros. Terça-feira Rosberg estabeleceu o melhor tempo do dia, 1min22s616, com pneus médios. Na quarta-feira, Hamilton marcou o quinto tempo, 1min22s726, com pneus duros, enquanto o mais rápido foi Sergio Perez, da McLaren, 1min21s848, com pneus macios. Na quinta-feira, Rosberg fez 1min22s611, pneus médios, quarto tempo, e Fernando Alonso, Ferrari, o primeiro, 1min21s875, pneus macios. Ontem, sexta-feira, teve chuva e até neve.

De quinta-feira a domingo da próxima semana a Mercedes e as demais dez equipes da Fórmula 1 voltam ao Circuito da Catalunha para os quatro últimos dias de testes antes do início da temporada. “Penso que os carros vão ter importantes novidades nesses testes finais, o que poderá melhorar um pouco a visão que temos de cada concorrente”, afirma Lauda.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.