Maldonado, o piloto de Hugo Chaves, virtual campeão da GP2

liviooricchio

11 de setembro de 2010 | 12h47

11/IX/10

Livio Oricchio, de Monza

O folclórico presidente venezuelano Hugo Chaves está bem próximo de ver seu nome circular com desenvoltura na Fórmula 1. O jovem e competente piloto da Venezuela, Pastor Maldonado, é praticamente o novo campeão da GP2. Vai estar, com méritos, na Fórmula 1 em 2011, patrocinado pela empresa de petróleo PDVSA, dentre outras estatais. “Não pretendo chegar à Fórmula 1 e ficar uma temporada apenas, mas permanecer um período e realizar um bom trabalho”, disse Maldonado.

  Sempre que pode, Hugo Chaves assiste à transmissão das corridas da GP2 na TV, como a de ontem. Maldonado envolveu-se num acidente depois da largada e chegou apenas em 15.º. Mas se na prova de hoje o mexicano Sergio Perez não for o vencedor e ainda estabelecer a melhor volta, Maldonado celebra o título. Perez vai sair da 16.ª posição do grid, o torna sua missão quase impossível.

  Hugo Chaves vai estar diante da TV. “Vivemos um momento histórico, há 20 anos que não temos um representante na Fórmula 1, há um boom de interesse agora”, lembra o simpático Maldonado, de 25 anos. Johnny Cecotto, ex-parceiro de Ayrton Senna na Toleman, em 1984, foi o último. “O projeto do nosso governo de apoiar esportistas é um sucesso. Investiram seis anos em mim para me levar até a Fórmula 1 e me sinto preparado para o desafio.”

  Como há interesse das equipes em Maldonado e ele conta com o apoio do governo de seu país, o acerto com algum time da Fórmula 1 é apenas uma questão de curto espaço de tempo. “Seria ótimo se fosse até antes da corrida de Abu Dabi (última do calendário, dia 14 de novembro), pois assim poderia participar dos treinos que existirão lá depois do GP com minha nova equipe”, disse o venezuelano, em Monza.

  O empresário de Maldonado, o influente Nicolas Todt, filho do presidente da FIA, Jean Todt, gerencia sua carreira. O caminho mais provável para Maldonado é a Sauber. “Se não der certo com a Sauber, espero que dê, poderá até ser com uma das estreantes este ano”, explica o piloto.

  “Tenho uma relação muito boa com nosso presidente. Ele me disse que deseja assistir a uma corrida de Fórmula 1 em que eu esteja”, comenta. Hugo Chaves verá um piloto, segundo ele próprio, “técnico, mas agressivo quando a situação assim exigir”, define-se Maldonado. “Gosto de como trabalham Lewis Hamilton, Fernando Alonso e Robert Kubica”. O polonês da Renault é seu grande amigo e são vizinhos na Toscana, Itália, onde residem. “O meu forte é o lado técnico, importante demais hoje na Fórmula 1”, afirma. Se mostrar mesmo seu valor, Hugo Chaves certamente fará seu carnaval particular, como tanto gosta até que lhe digam “?Porque no te callas”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.