Massa: "Acredito na maior competitividade de Ferrari e McLaren".

liviooricchio

23 de agosto de 2011 | 04h04

23/VIII/11

Amigos, essa é a entrevista citada no post de apresentação do especial com o Felipe.

  Enquanto pilotava e depois da experiência de conduzir, em Interlagos, o Linea de corrida pela primeira vez, Felipe Massa conversou com exclusividade com o Estadão.

Estado – Gostou de pilotar o Linea, tão diferente da Ferrari de F-1 que você conduz?

FM – Muito. Foi divertido e não deixa de ser um novo aprendizado. Os limites na F-1 são completamente diferentes. Pilotos sempre gostam de conhecer coisas novas, andar em outras categorias. Em termos de desempenho, foi até melhor do que eu imaginava.  (Massa participou também dos treinos livres de sexta-feira, com os demais pilotos da competição, e obteve o sexto tempo, 1min54s641. O mais rápido foi o atual campeão do Troféu Linea e líder do campeonato, Cacá Bueno, 1min53s888.)

 

E – Se disputasse a corrida de São Paulo, seria difícil superar quem já anda na frente, por conta das diferenças para a F-1?

FM – Claro que não seria fácil. Fiz apenas um dia de treinos livres e precisaria de mais tempo para trabalhar no acerto. E temos de lembrar que enfrentei não apenas pilotos com a mão do carro, mas vários dos melhores pilotos de turismo do Brasil. Treinando um pouco mais, tenho capacidade de andar no nível deles. Em 2012 a seleção vai crescer um pouco porque a potência do Linea crescerá de 210 para 260 cavalos. Pilotar carros de Turismo é o caminho natural para quem deixa a F-1 e no futuro essa pode ser uma opção para mim.

 E – O Racing Festival está sendo repensado para 2012. Quais as novidades?

FM – Vamos manter os campeonatos do tamanho atual, com seis rodadas duplas. (Além do Troféu Linea são disputadas a Fórmula Futuro, competição-escola de monopostos, e duas categorias de moto, Honda 600 Hornet e CB300). Está praticamente confirmada uma corrida de rua, provavelmente em Vitória, embora Salvador também tenha manifestado interesse. O evento mudará de nome por questões de marketing e passará a se chamar Fórmula Fiat.Vamos também ampliar a premiação para pilotos, equipes e incluir até o público nesse pacote.

 

 E – O que falta para sensibilizar mais os meninos do kart a disputar a agora Fórmula Fiat? Está sendo feito um trabalho para atraí-los, mostrar as vantagens de ganhar experiência na categoria antes de sonhar em viajar para o exterior e ter de investir muito mais?

FM – Temos procurado facilitar o acesso de várias maneiras. Por exemplo: desde o ano passado oferecemos bolsas de 70%, 50% e 30% de desconto para os três melhores pilotos graduados do Campeonato Brasileiro de Kart entre 15 e 20 anos de idade. O campeão de 2011, por exemplo, correrá na Fórmula Fiat por pouco mais de R$ 60 mil. O orçamento da categoria, de R$ 220 mil, já é mais do que atraente. Agora, para que continue fornecendo a reposição de jovens talentos o kart precisa do incentivo de empresas e de uma redução de custos.

 

E – Já participou de experiência semelhante antes, ser cobaia e professor por um dia de piloto aprendiz, sem experiência na pista, ao seu lado no carro?

FM – Não. E, sinceramente, espero não passar por isso novamente. Brincadeira (risos). Foi divertido.

 

 E – Tem estado em contato com o pessoal da Ferrari?

FM – Conversei brevemente com meu engenheiro, mas ele também estava em casa. Ninguém está trabalhando por causa do acordo entre as equipes. Vou embora para a Europa na terça-feira, mas a fábrica da Ferrari reabre segunda-feira. (O próximo GP será dia 28, em Spa-Francorchamps, na Bélgica.)

 

  E – O que espera das oito etapas restantes do campeonato? Pensa ser possível uma mudança no que vimos nas últimas três etapas, vencidas por Ferrari e McLaren, ou seja, a Red Bull voltar a impor a vantagem maior do início de temporada?

FM – Acredito na maior competitividade de Ferrari e McLaren, é o que indicam essas últimas corridas. Não imagino que a Red Bull possa abrir novamente a enorme vantagem das provas iniciais. Para mim, que sofri um pouco com os pneus mais duros, é animador saber que eles não serão mais usados até o final do campeonato.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.