Massa diz que, como McLaren, a Ferrari também tem seu sistema de controlar potência

liviooricchio

31 de julho de 2008 | 14h36

31/VII/08
Livio Oricchio, de Budapeste

Os treinos livres do GP da Hungria começam hoje com uma grande pergunta no ar: a Ferrari ficou mesmo atrás da McLaren, como seu desempenho pareceu nas duas últimas corridas, vencidas por Lewis Hamilton, o líder do Mundial? Felipe Massa e Kimi Raikkonen reagiram, com energia, ontem, à idéia de seu time ter sido superado. E Massa fez uma declaração surpreendente, a respeito do sistema de controle de potência da McLaren, um dos seus avanços.

“Nós também temos muita coisa no carro. Eles podem acionar o sistema deles através de um manete (atrás do volante) e todo mundo ver. Mas você pode dispor do mesmo recurso através de um botão no volante.” Em outras palavras, a Ferrari, como a McLaren, conta com recurso semelhante. “Não é por aí”, falou Massa, para explicar as razões de Hamilton dominar as provas em Silverstone e Hockenheim e assumir o primeiro lugar do campeonato.

“Nós analisamos tudo em detalhes e compreendemos o que aconteceu. Não foi a McLaren que voou, ainda que tenha apresentado ótima performance, mas nós que não exploramos nosso potencial”, comentou Massa. Enquanto a McLaren teve rendimento não muito diverso entre pneus duros e moles, a Ferrari perdeu ritmo com os duros, o que explicaria a facilidade de Hamilton no GP da Alemanha.

“Na França foi o contrário. Nós estivemos muito superiores. E também não foi real.” Para Massa e Raikkonen, será assim até o fim da temporada. “Uma hora eles na frente, outra nós”, afirmou o finlandês. As duas sessões livres de hoje começarão a responder a questão.

Massa reconheceu, no entanto, a importância de não deixar o adversário ampliar mais a diferença. Depois de 10 etapas, Hamilton lidera com 58 pontos diante de 54 de Massa e 51 de Raikkonen. “Acabamos de passar a metade do campeonato. Creio que as próximas duas ou três corridas serão decisivas”, afirmou o brasileiro. A Ferrari experimentará, hoje, a tomada de ar do motor tipo bigorna, como outros times. “A Ferrari sempre se caracterizou pela beleza, mas esse componente deixa o carro feio”, comentou Massa.

Foi no GP da Hungria, ano passado, que estourou a guerra entre Fernando Alonso e a McLaren, a ponto de o espanhol, duas vezes campeão do mundo, deixar a escuderia no encerramento do Mundial. “Na realidade, apareceu aqui. Os problemas existiam há tempos”, corrigiu, ontem, o asturiano, hoje na Renault. Não poupou críticas ao ex-time: “Se eu estivesse lá estaria fazendo o que faz, hoje, o Heikki Kovalainen. Eu não o vi se classificar nenhuma vez com menos gasolina que Hamilton. Esse seria meu papel.”

É por isso que apesar da pouca competitividade da Renault, Alonso se diz um homem muito mais feliz que em 2007. “Lá seu estaria lutando pelo 4º ou 5º lugar, é o que sobra ao Kovalainen. Aqui me esfoço para ser 5º
ou 6º, mas me divirto. O finlandês foi confirmado pela McLaren, ontem, como companheiro de Hamilton em 2009. Mas negou ser o “segundo piloto” da equipe, como destacou Alonso, em separado.

E sobre Alonso quem falou, ontem, foi Nelsinho Piquet, seu parceiro. Nelsinho vem de ótimo segundo no GP da Alemanha, único pódio da Renault até agora na temporada. “Sei que o Alonso virá com mais vontade de acelerar, vai ser ainda mais difícil para mim”, lembrou.

O segundo lugar não mudou o ambiente para ele na escuderia. “Eu nem vejo por esse lado, nosso grupo precisaria de bem mais resultados desse tipo para mudar.” A temperatura, ontem, no fim da tarde, era de 31 graus, como será o restante do fim de semana, segundo a previsão meteorológica.

Amigos:
Por razões técnicas não foi possível inserir os comentários dos últimos dias. Infelizmente. Vejamos os próximos. Tomara que não tenhamos mais problemas dessa natureza.
Obrigado

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.