Massa, Kubica e Schumacher ficam onde estão

liviooricchio

22 de setembro de 2010 | 23h47

22/IX/10

Tenho lido aqui no blog e mesmo fora que a Ferrari e a Renault vão promover uma troca de pilotos: Felipe Massa por Robert Kubica. Honestamente não sei de onde surgem esses boatos que, invariavelmente, acabam ganhando cores de verdade entre os fãs da Fórmula 1.

O que mais me impressiona é que no meio da competição a informação não circula. Quando alguém pergunta aos pilotos, no caso, eles se surpreendem, como quem diz “de onde você tirou isso?” Tenho relação profissional boa com os dois pilotos. E em nenhum instante tanto Massa quanto Kubica fizeram qualquer menção de seus times os substituírem.

Kubica está completamente envolvido com a Renault, renovou o contrato não faz muito, ganhou um bom aumento, e acredite: está feliz. “Aqui sou ouvido”, me disse várias vezes. Até ano passado ouvia dele lamentações com a BMW: “Passávamos muitas corridas sem ter nada de realmente muito novo no carro.” E tinha consigo que havia preferências por Nick Heidfeld na escuderia.

Agora, na Renault, Kubica faz o que mais gosta, liderar um grupo. É impressionante a confiança da Renault no polonês. Vai continuar lá em 2011, não irá para a Ferrari. E se não houvesse obrigações contratuais, Stefano Domenicali sabe que criaria um clima tenso entre Kubica e Fernando Alonso, apesar da amizade entre ambos. A diferença de Kubica para Alonso quase não existe, enquanto de Massa para Alonso é maior.

Massa, por sua vez, tem contrato também com a Ferrari para não apenas 2011 como 2012. Na próxima temporada não há o que quesitonar, prossegue lá. É o companheiro ideal para Alonso. E com as mudanças significativas nos carros, regulamento e pneus, em 2011, Massa acredita que poderá enfrentar melhor o espanhol. Só não permanece na Ferrari em 2012 se disputar um campeonato muito ruim em 2011, o que é bem pouco provável.

Quanto a Michael Schumacher: a não ser que esteja mentindo, nos disse estar entusiasmado com o projeto da Mercedes para 2011. Ele confirmou que cumprirá o contrato. “Assinar com a Mercedes por três anos foi uma exigência minha, porque desejo ser campeão do mundo de novo dentro desse prazo. Seria estúpido se imaginasse que já no primeiro ano eu seria campeão.”

Diante do que o próprio Schumacher disse, seria muito surpreendente se parasse de correr no fim do campeonato.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.