Massa não engoliu muito bem a decisão da Ferrari

liviooricchio

18 de novembro de 2012 | 21h42

18/XI/12

Livio Oricchio, de São Paulo

Quem esperava um discurso alegre de Felipe Massa ontem, depois de ter disputado sua melhor corrida na temporada –largou em 11.º e chegar em ótimo quarto lugar – se surpreendeu. A direção da Ferrari ordenou a quebra do lacre do câmbio do seu carro, desnecessariamente, para que ele perdesse cinco colocações no grid a fim de Fernando Alonso, seu companheiro, subir do oitavo para o sétimo lugar no grid e largar no lado limpo da pista.

Massa ficou com a decisão da equipe entalada na garganta, embora reconhecesse a necessidade da medida, por Alonso ainda poder ser campeão.
“É impossível ver um piloto contente depois de ceder cinco posições no grid apenas para ajudar o parceiro. Talvez não seja fácil encontrar outro piloto que aceite. Com certeza eu poderia terminar na frente de Alonso nesta prova, por isso sinto que dei boa ajuda à equipe”, afirmou Massa, como quem diz à Ferrari que a renovação do seu contrato está mais do que justificada.

 Parte da torcida que o critica severamente foi também lembrada pelo piloto: “É o melhor que podemos fazer para aquelas pessoas que ficam em casa falando”.
Até Deus foi evocado por ele: “Deus sabe o que faz, temos apenas de confiar e fazer o nosso melhor.”

Sobre seu desempenho na prova, afirmou: “Acho que foi o melhor do ano.” Com os 12 pontos conquistados, Massa chegou a 107, sétimo colocado no Mundial. E pela forma como tem pilotado nas últimas etapas e o seu histórico de eficiência no GP do Brasil – venceu em 2006 e 2008 –, pode de novo ser decisivo para a Ferrari ser campeã com Alonso, como foi com Kimi Raikkonen em 2007.
Bruno Senna, da Williams, de novo marcou pontos, ao terminar em décimo. Mas esperava mais. “Depois do pit stop fiquei atrás do Nico Hulkenberg (Force India)e aí tudo ficou mais difícil.” O alemão era mais lento, o que, segundo Bruno, o impediu de impor um ritmo mais veloz e avançar na classificação.
Vem a São Paulo com um carro que pode permitir que supere sua melhor colocação este ano – sexto na Malásia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.