Massa se acidenta. Mas foi só um susto

liviooricchio

26 Janeiro 2007 | 21h13

Foi só um susto. No último dia de treinos no circuito de Vallelunga, hoje, Felipe Massa se acidentou com o novo modelo da Ferrari, F2007. No treino da manhã, com a pista ainda molhada, Massa perdeu o controle do carro e colidiu na barreira de pneus.

No primeiro momento as notícias davam conta de um acidente grave. Não foi o caso, tanto que a equipe reparou o F2007 e Massa regressou à pista à tarde.

Se a área de escape fosse apenas um pouco melhor, nem teria tocado nos pneus. Conheço o autódromo Piero Taruffi, em Vallelunga, a cerca de 40 quilômetros de Roma. Sei que melhoraram um pouco as condições por lá, mas não consigo imaginar um carro de Fórmula 1 naquela pista, ainda mais no molhado. Há áreas de escape impressionantemente pequenas.

No impacto, as suspensões do lado esquerdo da Ferrari foram afetadas. Os mecânicos, basicamente, apenas as substituíram.

Massa quase não andou à tarde, com asfalto seco, quando o F2007 já estava novamente em condições, porque um problema mecânico, não especificado pela Ferrari, obrigou os técnicos recolherem o carro logo em seguida ao piloto relatar dificuldades.

No total, Massa completou apenas 9 voltas, com 1min22s279 na melhor.
Ao mesmo tempo, Kimi Raikkonen prosseguiu sua familiarização com a equipe. Hoje, pelo quarto dia, treinou com o modelo do ano passado, 248F1. A trégua da chuva, à tarde, permitiu ao finlandês boa série de voltas seguidas. No total, foram 52, e 1min19s758 na mais rápida.

Terça-feira Raikkonen vai pilotar pela primeira vez a nova Ferrari F2007, em Valência, Espanha. Massa não participa dos ensaios. Luca Badoer foi convocado.

A Red Bull apresentou hoje, em Barcelona, o RB3, carro dos mais esperados da temporada, por ter sido projetado pelo competente engenheiro Adrian Newey. A Red Bull, dos pilotos Mark Webber e David Coulthard, pode ser uma das surpresas do campeonato. Aposto no seu crescimento.

São grandes as semelhanças, ao menos aerodinâmicas, do RB3 com os últimos modelos da McLaren, o que não surpreende ninguém que acompanha a Fórmula 1. O RB3 representa o desenvolvimento das soluções de Newey para os últimos projetos da McLaren, seu ex-time.

A maior diferença está no motor. Agora o engenheiro aeronáutico inglês trabalha com o Renault e não mais o Mercedes. As últimas temporadas têm demonstrado que o V-10 e ano passado o V-8 francês é mais eficiente que as unidades produzidas pelos alemães, na época em que o suíço Mario Illen era o responsável e nos dois últimos anos, em que o próprio staff da Mercedes concebeu, produziu e desenvolveu os motores.