Massa: "Serão mais três anos com chances de vitórias"

liviooricchio

16 de outubro de 2007 | 19h29

16/X/07

“Serão mais três anos com chance de vitória.” Foi assim que Felipe Massa definiu, ontem, a extensão de seu contrato com a Ferrari até o fim de 2010. Agora, o futuro de Massa na equipe italiana está mais garantido que o de Kimi Raikkonen, cujo compromisso com a escuderia termina em 2009. “Antes de pensar em 2008 vou concentrar minha atenção no GP do Brasil. Quero lutar pela pole, a vitória e , se for possível , ajudar minha equipe a ser campeã.” Raikkonen tem chance, ainda, de conquistar o título.

Massa tinha contrato com a Ferrari até o fim de 2008. Ontem, no almoço com alguns jornalistas, em São Paulo, seu empresário, Nicolas Todt lembrou com humor os rumores que apontavam a saída de Massa da Ferrari, transferindo-se para a Toyota, para a chegada de Fernando Alonso, muito descontente com a McLaren. “O novo compromisso anula o anterior. A base é a mesma, mas algumas coisas ficaram melhores para mim.” Massa ganhará mais na Ferrari. Estima-se que receberá cerca de US$ 10 milhões por ano.

“Tenho consciência da importância do novo acordo, para mim e para quem gosta de F-1 no Brasil. Piloto brasileiro na melhor equipe, a mais prestigiada, estou orgulhoso.” Permanecer na Ferrari por mais três anos aumenta as possibilidades de realizar seu sonho. “Desde pequeno desejo ser campeão do mundo. Sei que para chegar lá é preciso que muitas coisas aconteçam ao mesmo tempo, mas estar na Ferrari ajuda muito.”

Quatro pilotos disputaram as vitórias nas 16 etapas até agora realizadas. Massa era o favorito de muitos para conquistar o título, mas é o único que domingo não tem mais chances de ser campeão. “A falta de confiabilidade do carro e alguns erros nossos fizeram com que perdêssemos pontos importantes. Numa temporada como essa, perder pontos significa ficar de fora da luta.”

Massa teve problemas com o câmbio na Austrália, o sistema de largada na Inglaterra e na suspensão traseira na Itália. Além disso, o piloto errou no GP da Malásia, ao sair da pista ao tentar ultrapassar Lewis Hamilton, e no GP do Canadá, ao não observar o sinal vermelho na saída de box. A própria equipe falhou ao liberá-lo na classificação do GP da Hungria sem gasolina suficiente. “Com os pontos perdidos nessas ocasiões eu também estaria na luta aqui e, quem sabe, até com mais chances que os outros.”

Todo o favoritismo que lhe atribuíram não o afetou: “Se fosse me deixar afetar por tudo que leio, de positivo ou negativo, não conseguiria viver.” Como grande ensinamento este ano, Massa lembrou a falha na etapa de Montreal, quando acabou desclassificado por não parar na saída de box com o sinal vermelho.
O clima dentro da McLaren é tenso. Fernando Alonso dificilmente permanecerá lá. Se, de fato, sair, pode ser bom para a Ferrari, segundo Massa. “Os dois são excelentes pilotos. Sem um deles pode facilitar as coisas para nós.”

O fato de ser amigo de Hamilton e ter tido já suas rusgas com Alonso, como nas corridas de Barcelona e de Nurburgring, não muda nada seu comportamento na pista. “Não faria um trabalho sujo. Minha preocupação é outra, ajudar minha equipe ser campeã.”

Hamilton lidera o Mundial com 107 pontos diante de 103 de Alonso e 100 de Raikkonen. Massa soma 86. Para o companheiro de Massa ficar com o título precisa, por exemplo, vencer e torcer para Hamilton terminar no máximo em sexto e Alonso em terceiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: