Massa vence a Ferrari, Schumacher e a corrida

liviooricchio

27 de agosto de 2006 | 15h15

Reportagem de F-1: Massa vence a Ferrari, Schumacher e a corrida
GP da Turquia
Livio Oricchio, de Istambul

Início
Aconteceu exatamente o que era necessário para Felipe Massa conquistar, ontem, sua primeira vitória na Fórmula 1, tendo como companheiro de equipe, na Ferrari, Michael Schumacher: ocupar o primeiro lugar na corrida e ter um adversário entre ele e Schumacher. Fernando Alonso, da Renault, ultrapassou Schumacher no primeiro pit stop do GP da Turquia, na 13.ª volta, por conta da entrada do safety car na prova, passou para a segunda colocação, e dessa forma não havia como a Ferrari ordenar a inversão de posições no Istambul Park. Massa liderava com Alonso em segundo e Schumacher em terceiro.
Massa venceu Schumacher e Alonso, os dois maiores pilotos hoje da Fórmula 1, na pista, num dos traçados mais seletivos do calendário. “Este é o dia ou o fim de semana mais importante da minha carreira até agora”, afirmou o piloto de São Paulo, de 25 anos, com lágrimas nos olhos. No pódio, foi levantado pelos dois, em reconhecimento pelo excepcional trabalho realizado na Turquia. Sábado já havia estabelecido a pole position. “Só compreendi que havia vencido quando recebi a bandeirada. A emoção veio de uma vez, pensei nas enormes dificuldades que tive, como no início e meu pai não podia me dar um kart competitivo, ou quando cheguei na Europa (início de 1999) com dinheiro para apenas seis corridas…essa luta valeu a pena.”
Precisou um bom tempo até que Massa recuperasse sua voz normal. Estava visivelmente embargada. “Não foi fácil para mim deixar de ser piloto titular, no fim de 2002, na Sauber. Mas na Ferrari realmente aprendo muito. Acho que mostrei que também eu posso vencer na Fórmula 1.” Falou da emoção de estar onde está. “Sempre sonhei em correr na Ferrari, ganhar um GP com a Ferrari. Hoje consegui. Realizei um sonho.” Deu, a seguir, detalhes da conquista: “Desde a largada compreendi que o carro se comportava de maneira perfeita. Fazia o que eu desejava. Em nenhum momento precisei ser agressivo para ser rápido. Senti que hoje seria o meu dia, como foi.”
Mas por pouco Massa não se vê obrigado a abdicar de ganhar pela primeira vez na Fórmula 1, mesmo tendo sido o melhor piloto do fim de semana em Istambul. Schumacher regressou à pista depois do segundo pit stop (43.ª volta), em terceiro, bem atrás de Alonso, segundo. Massa liderava com 10 segundos de vantagem. Até a bandeirada o alemão tentou de todas as formas retomar o segundo lugar perdido na primeira parada. “O importante é a Ferrari vencer os dois títulos. Passou pela minha cabeça, lógico, ter de deixá-lo passar. Ele está lutando pelo campeonato e eu não”, disse Massa.
No pódio manteve o indicador apontando o número 1 e quando a bandeira brasileira começou a subir, a indicava para todos. “Tenho orgulho de ser brasileiro.” Com ele no pódio estava Rob Smedley, seu engenheiro, curiosamente o ex-engenheiro de Alonso na Fórmula 3000. Ao regressar para o motorhome da Ferrari, Massa foi aplaudido de pé por toda a equipe. Jean Todt, diretor-geral, o abraçou ainda enquanto falava com os jornalistas e lhe cochichou algo no ouvido.
Dentro de 15 dias a Ferrari anunciará seus pilotos em Monza. Salvo grande surpresa serão Felipe Massa e Kimi Raikkonen. Já amanhã Massa começa a se preparar para as quatro etapas que restam do Mundial, Itália, China, Japão e Brasil. “Alonso ganhou mais dois pontos em relação ao Schumacher (108 a 96), aqui na Turquia, mas nada está definido ainda”, afirmou Massa, o sexto brasileiro a vencer na Fórmula 1, depois de Emerson Fittipaldi, José Carlos Pace, Nelson Piquet, Ayrton Senna e Rubens Barrichello.
FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: