Massa vence o primeiro duelo com Alonso

liviooricchio

15 de janeiro de 2010 | 17h58

15/I/10
Livio Oricchio, de Madonna de Campiglio

Foi só uma corrida de carros de turismo, Fiat Panda 4X4, com 100 cavalos de potência e não 800, como na Fórmula 1, e kart, sobre o lago gelado de Madonna di Campiglio, na Itália, ontem à noite, diante de 3 mil pessoas. Mas é também verdade que na primeira disputa entre Felipe Massa e Fernando Alonso, companheiros de Ferrari, deu o brasileiro, nas duas competições.

No encerramento do 20.º Wrooom, evento promovido pela Philip Morris, patrocinador da Ferrari, Massa ficou em primeiro na prova dos automóveis. Alonso, que lutava com Massa pela vitória, ficou parado na pista gelada depois de um toque no adversário, na penúltima volta, quando estava atrás. Já no kart, o norte-americano Nicky Hayden, da Ducati da MotoGP, foi primeiro. Massa cruzou em segundo. Alonso, de novo lutava com Massa, chegou a ultrapassá-lo, mas quebrou a embragem do seu kart.

No palco depois das corridas, ao lado dos apresentadores do evento, os dois riam bastante da experiência pouco comum de controlar carro e kart sobre o piso escorregadio gelado. A temperatura era de 7 graus negativo. Apesar dos toques entre ambos, o clima era de diversão. Os jornalistas não puderam conversar com os pilotos. Não há a menor dúvida, porém, que o presenciado ontem no lago de Madonna di Campiglio é o tom do que será a temporada entre Massa e Alonso. Se numa atividade promocional os dois deram tudo de si e se tocaram, na Fórmula 1 é que não vão aceitar perder para o outro.

Agora Massa e Alonso vão estar juntos de novo dia 28, na apresentação do modelo de 2010 da Ferrari, em Maranello. Existe a possibilidade de Massa realizar o chamado shakedown, teste primário dos sistemas, em Fiorano, antes do embarque para Valência. Dia 1.º Massa vai pilotá-lo. Nos dois seguintes, Alonso.

Quinta-feira Massa conversou com a imprensa internacional, mas a Ferrari autorizou a publicação da entrevista apenas hoje. “Até agora a minha relação com Alonso é muito boa. Já trocamos ideia de como deve ser a nova Ferrari, mostramos os problemas que cada um tinha nos seus modelos do ano passado.” E comentou: “Em três dias de trabalho com o Alonso eu conversei mais que em três anos com o Kimi Raikkonen (ex-companheiro).”

Massa valorizou muito a mudança no regulamento deste ano, que proíbe o reabastecimento de combustível. “Vamos ter de descobrir o que será melhor. Ser agressivo nas cinco primeiras voltas ou mais cautelosos? Será mais fácil passar no começo das corridas quando os carros vão estar com 170, 180 quilos de gasolina.” Essa nova variável pode introduzir surpresas grandes na Fórmula 1, acredita.

A opinião pública espanhola não o vê como adversário de Alonso na luta pelo título este ano. Acredita que serão Lewis Hamilton, da McLaren, e Michael Schumacher, Mercedes. “É bom. Mas não me preocupa o que os outros pensam de mim. Já ouvi tanta coisa a meu respeito e depois não mudou nada.” E afirmou: “Só penso mesmo que temos de ter um carro competitivo desde o início do campeonato, o que nunca foi o meu caso.”

Por fim, confessou ter perguntado a Nelsinho Piquet, durante corrida de kart na Itália, se o acidente no GP de Cingapura havia sido de propósito. “Eu já desconfiava muito. O Nelsinho não respondeu, riu apenas. Disse-lhe que voltaríamos a falar desse assunto ainda.” Massa também questionou Briatore que, da mesma forma, riu, embora tivesse negado.

Para ele, não é o caso de pensar nisso agora, depois de tudo esclarecido de que o resultado foi mesmo provocado, mas mudá-lo uma vez que obtido fora das regras, por que não? Massa perdeu o título por um ponto para Hamilton. A anulação do GP de Cingapura transferiria o Mundial de Hamilton para ele.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: