Mundial 2007: vai ser dada a largada!

liviooricchio

21 de novembro de 2006 | 15h15

É uma pena que Fernando Alonso e Kimi Raikkonen não foram liberados pelas suas equipes na temporada deste ano para testar o carro de seus novos times em 2007. Alonso tem contrato com a Renault e Raikkonen com a McLaren até 31 de dezembro. Assim, o bicampeão do mundo só poderá treinar pela McLaren e o finlandês pela Ferrari em janeiro. Mas poderemos assistir a outras estréias e começar a ter as informações preliminares sobre como será a Fórmula 1 com a monomarca de pneus. Apenas a Bridgestone fornecerá as escuderias.

Até o fim do ano serão três séries de testes coletivos. Da próxima terça-feira, dia 28, a quinta-feira, a maior parte dos times vai estar no Circuito da Catalunha, em Barcelona. Depois, a FIA programou em comum acordo com os representantes das equipes treinos em Jerez de la Frontera, também na Espanha, de 6 a 8 e de 13 a 15 de dezembro. Felipe Massa e Rubens Barrichello participam, em princípio, de todos esses ensaios.

Os dois me disseram, nos treinos das 500 Milhas da Granja Viana, semana passada, que a GPDA, a associação dos pilotos, está exigindo que a organização dos testes em Jerez reveja os serviços médicos do autódromo. Nas últimas experiências da Fórmula 1 na pista da Andaluzia a falta de recursos deixou os integrantes da GPDA até mesmo irritados.

Pela primeira vez Heikki Kovalainen vai trabalhar como titular terça-feira. A Renault foi a única organização que manteve todo o seu grupo de técnicos, apesar das tentativas da McLaren de levar com Alonso alguns de seus engenheiros. Mudou apenas Alonso por Kovalainen. Alteração substanciosa. É grande a curiosidade quanto o que o o finlandês poderá fazer num time comprovadamente eficiente.

Com os pneus Michelin, o modelo R26 mostrou-se extraordinário com o amortecedor de massa. E na quarta prova depois de o sistema ser proibido, na Itália, a Renault já havia obtido êxito nas modificações do carro para a nova realidade. Alonso teve dificuldades na Alemanha, Hungria e Turquia.
Vamos ver, agora, como reagirá com os pneus Bridgestone. As unidades disponibilizadas pelos japoneses serão as mesmas das três primeiras corridas do calendário de 2007, Austrália, Malásia e Bahrein.

Lewis Hamilton vai testar pela McLaren. Ainda não compreendi bem a razão de Ron Dennis não anunciá-lo como titular. Não vejo ninguém melhor para apostar. Com toda certeza a cúpula do staff técnico da McLaren vai estar nos dois autódromos dos ensaios. Os projetistas do modelo MP4/22 a ser usado no próximo campeonato, como Mike Caughlan e Rob Taylor, vão desejar ver de perto as características dos pneus Bridgestone e a partir daí desenhar, redesenhar ou ainda apenas ajustar as suspensões do carro que irá para a pista pela primeira vez em janeiro. Detalhes do projeto aerodinâmico também se relacionam ao que perceberem da experiência.

Se eu fosse apostar, colocaria parte das minhas fichas na evolução da BMW Sauber. Viajei de Xangai para Nagoya junto com seus integrantes. Conversei longamente com Gianpaolo Dal’Ara (acho que a grafia é essa, homônimo do proprietário da empresa que produz os carros Dallara) e o projetista-chefe Willi Rampf. Este me falou um pouco das diferenças entre trabalhar quando Peter Sauber era o dono e agora, a BMW, com toda sua capacidade de investimento e estrutura técnica. A dupla de pilotos é das mais capazes, Robert Kubica e Nick Heidfeld.

Depois do impressionante fracasso da Toyota este ano, com um grande finale vexatório, no GP do Brasil, quando depois de 9 voltas seus dois pilotos já haviam abandonado com problemas nas suspensões, Ralf e Trulli vão treinar ainda com o desequilibrado TF106B. Têm a vantagem de já conhecer os pneus Bridgetone, usados este ano.

Uma das estréias mais aguardadas, ainda que os resultados desses testes sejam pouco significativos, é a da escuderia Red Bull. Não será com o modelo RB3, concebido por Adrian Newey, mas o engenheiro aeronáutico inglês vai estar lá. Também para acompanhar o comportamento dos novos pneus. Já para conduzir o carro deste ano, RB2, a Red Bull terá Mark Webber, dispensado por Frank Williams. Ele e David Coulthard iniciam o que será, com certeza, uma nova fase da história do time de Dietrich Mateschitz. Aposto que o time dará um salto de performance em 2007. Este ano ficou apenas em 7.º, com 16 pontos.

A Williams vai de motor Toyota, em substituição ao Cosworth, e, como a Toyota, irá disputar a segunda temporada com pneus Bridgestone. Alexander Wurz reestréia como titular, agora no lugar de Webber. Patrick Head, sócio de Frank Williams e diretor de engenharia da organização, me disse que mudou quase tudo no staff técnico. Ainda não veremos o modelo FW29 na pista, resultante dessas alterações promovidas por Head. “O FW28 não tinha velocidade e era pouco resistente. É a pior condição possível para a Fórmula 1”, disse. A Williams, com 11.ª colocada e com apenas 11 pontos, só ficou à frente da Toro Rosso, Midland/Spyker e Super Aguri.

Outro piloto que inicia os testes já como titular é o inglês Anthony Davidson, ex-piloto de testes da Honda, pela Super Aguri. Tanto a equipe de Aguri Suzuki quanto a de que Gerhar Berger é sócio, a Toro Rosso, devem correr em 2007 com carros que sejam modificações dos produzidos por suas naves-mães, Honda e Red Bull. No caso do projeto da Toro Rosso a extensão das revisões será maior em razão de a Red Bull utilizar motor Renault enquanto Berger ficou com o contrato da Ferrari antes atrelado à Red Bull. Vitantonio Liuzzi será um dos pilotos, enquanto Scott Speed não está certo. Berger não esconde não gostar da sua inconstância.

Por fim, o projetista Mike Gascoyne, dispensado pela Toyota, inicia seu trabalho regular na Spyker. Na escuderia japonesa, por errar na coordenação do TF106 e pela estrutura pouco funcional do time, sua passagem por lá foi ruim. Com mais liberdade, como agora na Spyke, é possível que produza mais.

Os tempos verificados pelos pilotos em Barcelona e Jerez não nos permitirão concluir nada, em termos de se pensar no que pode ocorrer no Mundial de 2007. Mas ao menos atendem nossas expectativas quando à verdadeira largada do campeonato programado para começar dia 18 de março na Austrália.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.