Não é só por causa do sistema manual de gerenciamento do motor que a McLaren está tão rápida

liviooricchio

23 de julho de 2008 | 17h28

23/VII/08
Olá amigos:

De volta à redação. Tenho em mãos a publicação do Sportautomoto, semanário italiano sobre competições de automóvel e moto. A edição é a anterior ao GP da Alemanha e traz, em detalhes, o sistema de uma manete a mais das duas tradicionais para troca de marchas e acionamento da embreagem existente atrás do volante do modelo MP4/23 da McLaren.

A terceira permite aos pilotos da McLaren variar, manualmente, o mapa de gerenciamento do motor. Vou explicar depois como isso funciona. Em resumo, dá a Lewis Hamilton e Heikki Kovalainen a chance de fazer o motor responder de acordo com sua necessidade maior naquele instante. Na prática, melhora a tração nas saídas de curva de baixa velocidade, por exemplo. É legal? 100% legal.

O sistema foi encaminhado previamente a Charlie Whiting e só depois da aprovação utilizado. A McLaren, após o desgaste profundo do ano passado, não deseja mais correr riscos contra sua idoneidade.

A história não é nova. O texto é de meu amigo Paolo Bombara. A informação só ganhou dimensão de notícia sensacional porque Hamilton dominou as duas últimas corridas, em Silverstone e em Hockenheim. Fez diferença nos dois casos? Sem dúvida que sim. Mas o que explica o melhor momento da McLaren em relação à Ferrari não é só isso.

A McLaren incorporou uma série de modificações aerodinâmicas no MP4/23 nos testes realizados anteriormente ao GP da Grã-Bretanha, completada no ensaio de Hockenheim, também na semana anterior à prova. A maior diferença é a aerodinâmica frontal do carro. É isso combinado com a eficiência do controle do mapa de gerenciamento do motor que explica o avanço.

A terceira manete já existia na França, por exemplo, o que gerou a reportagem do Sportautomoto, e nem por isso a McLaren se impôs à Ferrari como nas duas últimas etapas.

O recurso é muito válido. Tanto que outros times trabalham para incorporá-lo. Mas é equivocado atribuírmos a excepcional performance da McLaren apenas ao controle de gerenciamento.

O leitor JC Simonassi comenta sobre a verificação técnica do motor do carro de Hamilton, domingo, pelos comissários da FIA.
JC: Depois de cada GP, assim como durante o fim de semana, a FIA distribui comunicado, regular, para informar os componentes e os carros escolhidos a serem examinados pelo grupo coordenado por seu comissário técnico, Jo Bauer.

A rotina dos comissários não se alterou por causa do trabalho maravilhoso de Hamilton e da McLaren em Hockenheim. Verificar componentes faz parte da rotina do GP. Em outras palavras, não é notícia. Agora, se na inspeção for detectado alguma irregularidade, aí sim a imprensa ficará sabendo e irá divulgar. Em todo GP vários carros são escolhidos para análise, antes, durante os treinos e depois da corrida.

Abraços!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.