Nelsinho e Jaime Alguersuari, personagens do dia

liviooricchio

23 de julho de 2009 | 19h19

23/VII/09
GP da Hungria
Livio Oricchio, de Budapeste

Enquanto Nelsinho Piquet teve de responder, ontem, várias perguntas sobre seu futuro na equipe Renault, coisa do tipo se o GP da Hungria será o seu último, o espanhol Jaime Alguersuari, de apenas 19 anos, da Toro Rosso, da mesma forma acabou sabatinado pela imprensa a respeito de sua profunda inexperiência. Os dois pilotos vivem momentos semelhantes e opostos.

“Deixei tudo para o meu pai resolver. O que me cabe é sentar e acelerar o carro e é o que farei da melhor maneira possível”, disse Nelsinho. O piloto, bastante sereno apesar da natural tensão de poder perder a vaga, confirmou que Flavio Briatore, diretor da Renault, não lhe dá mais garantia de nada, como por exemplo disputar o GP da Europa, dia 23, em Valência. “Os contratos na Fórmula 1 já não valem muito, são vários os casos de pilotos que não veem seus compromissos observados.”

Terá já a partir de hoje, nos primeiros treinos livres da décima etapa do campeonato, no circuito Hungaroring, um carro exatamente igual ao do companheiro, Fernando Alonso, que é para não haver desculpa se não conseguir um bom resultado, única condição que o manterá no time. “Estou tranquilo, se não for aqui na Renault poderá ser em outra escuderia, sei que posso produzir muito mais do que fiz até agora”, afirmou Nelsinho.

Alguersuari confirmou o que todos não desejam ouvir: “Tudo o que fiz até agora com um carro de Fórmula 1 foram dois testes aerodinâmicos”. Como os treinos são hoje proibidos, o espanhol acelerou o carro numa pista de aeroporto, em linha reta, num ensaio aerodinâmico da Toro Rosso que, em Budapeste, quase estréia um modelo novo, tantas são as modificações introduzidas.

Felipe Massa, da Ferrari, condenou a direção da Toro Rosso. “Ele até pode ser um grande talento, não questiono, mas não é bom para ele chegar na Fórmula 1 com 19 anos sem nunca ter realizado um único teste, poderá se queimar.” E comentou: “Eu tinha 20 anos, mas fiz testes durante toda pré-temporada e mesmo assim tinha uma compreensão geral pequena do que me pediam, por isso cometi vários erros.”

O vencedor da última etapa, em Nurburgring, Mark Webber, da Red Bull, um dos líderes da associação dos pilotos (GPDA), também criticou a Toro Rosso. “Hoje em dia é assim, pode-se ir direto da Fórmula Ford para a Fórmula 1, que não é lugar de se aprender, deve-se chegar pronto. Esse caminho custa bem mais barato.” A proibição de treinos particulares fará com que mais pilotos desembarquem na Fórmula 1 na mesma condição do espanhol, segundo Webber, de contrato renovado com a Red Bull para 2010.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.