Nem pensem na hipótese de Massa ter sido prejudiicado

liviooricchio

21 de março de 2007 | 03h02

Senhores, por favor, não entrem nessa. Insisto, por favor. NÃO TEM ESSA DE A FERRARI ESTAR FAVORECENDO O KIMI RAIKKONEN EM DETRIMENTO DO FELIPE MASSA!

O maiúsculo é proposital. Da hora que acordei hoje – dormi das 5h30 às 8h30, por causa do fuso horário – até há pouco, início da noite, ouvi de alguns amigos, de um jornalista do Estadão, bem como li na Internet e nos comentários do blog, que a Ferrari estaria por trás do ocorrido com o Massa em Melbourne.

Tudo bem que a Ferrari tem histórico de favorecer Michael Schumacher, mas começar a pensar que já estão trabalhando para o Raikkonen ser campeão…não, senhores, não entremos nessa. Você que gosta de Fórmula 1 acredite quem vive o dia-a-dia da equipe nos fins de semana de GP. Quem tem livre acesso a um dos profissionais mais sinceros, abertos, francos e competentes da Fórmula 1, o seu atual diretor-esportivo, Stefano Domenicalli: não!

Pode acontecer? Sim. Mas lá na frente do campeonato, se o Raikkonen estiver numa condição mais favorável para conquistar o título que o Massa. Como pode ocorrer o oposto. O Massa concentrar os interesses da escuderia. Tudo está na mãos dos dois, dos seus destinos no Mundial, não na cabeça de Domenicalli ou Jean Todt, o diretor-geral.

Não faz sentido acreditar, como li, que a Ferrari estaria por trás da quebra do câmbio do carro de Massa. Ele é o líder do time. Mais do que Raikkonen, acreditem-me. Tenho o privilégio de estar no autódromo, comversar com as pessoas, sentir o que se passa. Eu e todos que têm a mesma oportunidade dada por nossa profissão sequer cogitam essa possibilidade.

Não nos deixemos levar pelo que já aconteceu no passado. E as prioridades oferecidas a Michael Schumacher decorriam da sua maior capacidade de gerar resultados para a Ferrari. Podemos até abominar situações extremas, absurdas, como a inversão de posições com Rubens Barrichello na prova de Spileberg, Áustria, em 2002, mas fora disso há bem mais folclore que verdades nas preferências dadas a Schumacher.

O problema experimentado por Massa no Albert Park é obra do acaso. Poderia ter se passado com Raikkonen. Só isso. Sem outras interpretações. Não há por onde ver interesse dos italianos nessa hipótese de jogo escuso contra Massa. Eles não sabem o que é ser campeão desde 2004.

Vocês acham que já não há pressão na Ferrari? Da Fiat, sua maior proprietária, da Philip Morris, patrocinadora? Sabe quanto dinheiro eles põem nessa brincadeira de corrida de carro? Será que é por serem idealistas, gostarem da velocidade? Ou em razão de capitalizarem com o sucesso da equipe?

Vocês pensam que essa turma que está substituindo os que saíram da Ferrari não quer mostrar sua competência? Há muitos e muitos interesses em jogo, milionários. E todos são comuns: fazer a Ferrari voltar a vencer os títulos de pilotos e construtores. Não se desperdiça a oportunidade de marcar 8 pontos – seria provavelmente o mínimo que Massa faria se não tivesse se rompido o câmbio, embora acredite que ele vencesse – com um dos seus pilotos.

Em resumo: a Ferrari prejudicar Massa está fora de questão! Voltemos à realidade, combinado?

Grande abraço, amigos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.