Nem Vettel esperava uma pole com tanta diferença em Monza

liviooricchio

10 de setembro de 2011 | 13h26

10/IX/11

Livio Oricchio, de Monza

  Disputar a pole position do GP da Itália com Lewis Hamilton e Jenson Button, da McLaren e, quem sabe, Fernando Alonso e Felipe Massa, Ferrari, era o imaginado por Sebastial Vettel, da Red Bull. Mas estabelecer o melhor tempo na classificação com uma diferença de quase meio segundo para Hamilton, segundo, como ontem em Monza, numa pista de apenas seis curvas, nem no mais otimista dos seus sonhos.

  “Estou muito surpreso como o resultado e em especial pela diferença entre nós”, disse Vettel, atual campeão do mundo e líder do campeonato. E talvez para não deixar Hamilton e Button, terceiro ontem, muito animados com a corrida, hoje, o alemão da Red Bull comentou: “Estou mais contente ainda em razão de nosso acerto privilegiar mais a prova que a classificação”.

  O desafio em Monza é encontrar um ajuste aerodinâmico que garanta velocidade nas retas sem comprometer a velocidade de contorno das seis curvas. A média do tempo da pole de Vettel, ontem, 1min22s275, foi de 253,4 km/h.

  O GP da Itália é o 13.º do calendário e Vettel obteve a décima pole do ano, 25.ª na carreira. As outras três ficaram com seu companheiro, Mark Webber, quinto no treino de ontem. Se nem no circuito onde havia mais chances de McLaren e Ferrari largarem à frente da Red Bull não foi possível, é pouco provável que aconteça nas seis etapas da temporada que restam.

  Hamilton e Button reconheceram não haver como vencer Vettel, ontem. “Mas nosso ritmo de corrida é melhor como vimos nas simulações aqui mesmo. Esse GP ainda não acabou. Estamos na luta”, previu Button. E Hamilton lembrou que com o flap móvel as ultrapassagens ficaram mais fáceis. Largando em segundo, voltar a vencer como na China e na Alemanha é realista na sua visão.

  O público apenas regular nas arquibancadas de Monza reflete o momento da Ferrari e a preocupação com a crise econômica na Europa. Alonso conseguiu na última volta deixar Webber para trás, ao registrar o quinto tempo. “Somos mais eficientes em corrida que nas classificações. A Ferrari pode pensar em pódio, amanhã, em especial se eu passar um dos carros a minha frente na largada”, afirmou Alonso. E Massa, sexto no grid, lembrou que o calor de 30 graus ontem, esperado para hoje também, pode ajudar a Ferrari. “Temos um carro mais constante nessas condições, capaz de desgastar menos os pneus.” Os piloto acreditam que farão, hoje, apenas dois pit stops.

  Ao obter o décimo tempo no grid, Bruno Senna, da Renault, comentou: “Seria fantástico conquistar meu primeiro ponto na Fórmula 1. É isso o que a equipe espera de mim”. Não saiu dos boxes na última parte do treino a fim de preservar um jogo de pneus macios novos para a corrida. Já Rubens Barrichello, da Williams, com velocidades de reta bem abaixo dos concorrentes, ficou em 13.º.

  A largada do GP da Itália será às 9 horas (Brasília). Serão 53 voltas no traçado de 5.793 metros.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.