No gelo pode. Raikkonen na frente de Massa.

liviooricchio

12 Janeiro 2007 | 17h02

O clima era de festa, o apresentador ressaltava com regularidade que o importante era a diversão proporcionada ao bom público posicionado ao redor do lago congelado, no centro de Madonna di Campiglio, na Itália, mas a verdade é que nem Felipe Massa nem Kimi Raikkonen desejavam perder a disputa. Os dois mais Luca Badoer e Marc Gene, pilotos de testes da Ferrari, e a dupla da Ducatti no Mundial de MotoGP, Loris Capirossi e Casey Stoner, participaram hoje da tradicional competição sobre o gelo com automóveis Fiat Panda 4 x 4. E a maior experiência de Raikkonen no piso escorregadio da fria Finlândia o permitiu chegar alguns segundos à frente de Massa.

A organização do evento não liberou os pilotos para conversar com os jornalistas. Tudo o que a direção da Ferrari deseja é que a imprensa não explore o que poderia ser a primeira disputa entre os novos companheiros de equipe. Durante a corrida realizada já à noite, com cerca de 5 mil pessoas assistindo, o espetáculo enveredou mesmo mais para um show, tanto que logo no início o locutor chamou a atenção para a entrada do safety car. Na realidade, tratava-se de uma grande surpresa: Luca Badoer alegou problemas no seu Panda para não largar, mas era apenas uma desculpa para entrar na pista oval com a Ferrari usada ano passado por Michael Schumacher.

Um carro de Fórmula 1, com seus quase 800 cavalos, sobre o gelo. “Eu podia virar o volante que não acontecia nada, a 248F1 seguia em frente. A única forma de fazer curva era acelerar forte para a traseira lançar-se”, explicou Badoer. “Colocamos um modelo de Fórmula 1 para andar onde ninguém imaginava”, disse Luca Colajanni, assessor da Ferrari. Badoer completou algumas voltas e retornou à área reservada e fechada com grandes tendas sobre o lago. Não se importou de perder sete voltas e voltou ao que seria uma corrida.

Na pista, as derrapagens nem sempre controladas de Raikkonen, Massa, Capirossi, aparentemente o mais hábil, Gene e Stoner encantavam o público, sob frio de um grau abaixo de zero. Capirossi parecia permanecer na frente enquanto desejasse. No fim, tirou o pé do acelerador próximo a linha de chegada para Raikkonen e um pouco atrás Massa receberem a bandeirada quase juntos também. Na classificação, onde todos fizeram questão de dar o máximo, Capirossi mostrou-se da mesma forma o mais rápido, com Raikkoen e segundo e Massa em quinto, separados por diferenças mínimas.

Amanhã os quatro pilotos da Ferrari viajam para Maranello onde amanhã a escuderia apresenta o primeiro carro da fase pós-Schumacher, cujo desenvolvimento já será realizado pelo novo grupo técnico do diretor Mario Almondo. Segunda-feira Massa o experimenta em Fiorano. Stefano Domenicali, novo diretor-esportivo, não definiu ainda a estréia de Raikkonen na condução do carro.

A Toyota foi a primeira a apresentar, hoje, seu modelo para a temporada que começa dia 18 de março na Austrália. Na própria sede do time japonês, em Colônia, Alemanha, Ralf Schumacher e Jarno Trulli posaram diante do TF107 para as fotos. A Toyota é a equipe que mais investe na competição – cerca de US$ 440 milhões por ano – e em 2006 conquistou apenas 35 pontos, sexta colocada, diante de 206 da Renault, a campeã entre os construtores, que investiu cerca de US$ 260 milhões no ano, quase a metade apenas da Toyota.

Outro fracasso da Toyota pode pôr em xeque seu futuro na Fórmula 1. Pascal Vasselon, diretor-técnico depois da dispensa do até então conceituado Mike Gascoyne, considerou, hoje, “bem possível” a conquista da primeira vitória da Toyota na Fórmula 1.

“Tenho um bom feeling. Foi assim na Jordan, em 1997, quando cheguei ao primeiro pódio, e na Williams com o FW23 (de 2001), com o qual obtive a metade (3) das minhas vitórias até agora”, afirmou Ralf Schumacher. Segunda-feira será a vez da McLaren. O bicampeão do mundo, Fernando Alonso, percorrerá algumas ruas da cidade de Valência com a nova McLaren MP4/22. É enorme a expectativa na Europa com relação ao que o extraordinário Alonso poderá fazer na McLaren, time que não é campeão desde 1999.