Notas do GP da Austrália

liviooricchio

28 de março de 2009 | 00h12

28/III/09
GP da Austrália
Livio Oricchio, de Melbourne

Tão logo soube que Ron Dennis, da McLaren, deu entrevistas afirmando o problema com os promotores da Fórmula 1era o dinheiro que eles deviam a algumas equipes, Bernie Ecclestone respondeu de Londres, já que não irá à etapa de abertura do Mundial: “Não devemos nada a ninguém”. Flavio Briatore, da Renault, que foi com Ron Dennis cobrar Ecclestone, respondeu, ontem: “Não nos deve nada? Tá bom, então eu e Ron somos loucos de ir lá, no seu escritório, cobrá-lo”.

Ross Brawn, sócio na Brawn GP, deixou o circuito Albert Park logo depois dos treinos livres, feliz com o 2.º tempo de Rubens Barrichello. Mas ficou mais contente ainda no aeroporto de Melbourne, quando foi receber Richard Branson e ouviu dele que o negócio estava fechado. A Grupo Virgin, de sua propriedade, vai patrocinar a Brawn. Investimento estimado este ano: US$ 15 milhões.

O projetista da Red Bull, Adrian Newey, é considerado um talento da engenheria. Mas também um extremista nas suas soluções aerodinâmicas. No modelo RB05, por exemplo, o assoalho do carro se aproxima tanto das rodas traseiras que não é possível envolver os pneus com os cobertores elétricos. Eles apenas são acomodados por cima dos pneus e seu aquecimento não é o ideal.

O box da Brawn é o último no circuito Albert Park. E suas instalações são as menores dentre todos os times. Mas a procura da imprensa coloca a escuderia junto da Ferrari em interesse. Ontem não havia espaço para as TV do mundo todo entrevistar Rubens Barrichello e Jenson Button. E se há no paddock um piloto que reúne favoritismo para vencer a prova é o próprio Rubinho.

Nelson Piquet, o pai, está em Melbourne. Ano passado compareceu apenas no GP da Espanha para acompanhar Nelsinho, na Renault. Não quis papo com os jornalistas. Nelson trouxe seu primeiro filho, Geraldo, do primeiro casamento, e também Lazlo, da relação com a belga Catherine. Nelsinho é filho da holandesa Sylvia. Outro megacampeão do mundo, Michael Schumacher, acompanha de perto o trabalho da Ferrari e como Nelson não demonstra interesse em atender à imprensa.