Notas do GP da Itália

liviooricchio

14 de setembro de 2008 | 18h43

Notas do GP da Itália
Livio Oricchio, de Monza

Início
Nelsinho Piquet, da Renault, ousou na estratégia e se deu bem, apesar de não ter marcado pontos. Largou em 17º e terminou o GP da Itália em décimo. Não fosse a prova ter apenas um abandono, o de Giancarlo Fisichella, da Force India, Nelsinho teria provavelmente chegado entre os oito primeiros. “Fui o último a fazer pit stop (36ª volta), tinha bom ritmo de corrida, tanto que avancei, mas, pesado demais, perdi tempo no início.” O companheiro, Fernando Alonso, largou em oitavo e acabou em quarto.

Rubens Barrichello, da Honda, costuma se dar bem nas provas com chuva. Ontem, usou os três tipos de pneus, chuva, intermediários e de asfalto seco. “Tinha de arriscar, não há outra saída. Na segunda parada, saí com os de pista seca, mas estava molhado, ainda, e meus tempos de volta pioraram.” Quando Rubinho parou nos boxes pela segunda vez, a 10 voltas da bandeirada, era o nono. Recebeu a bandeirada em 17º.

Desde o início da temporada de 2004, na McLaren, Kimi Raikkonen não fica três etapas sem marcar pontos, como agora, na Ferrari. “Nossos pneus não funcionavam no molhado, meu ritmo era lento”, disse, sem expressar qualquer emoção com seu momento difícil. Soma 57 pontos e ocupa a quarta colocação, atrás até de Robert Kubica, BMW, 64. “É difícil, mas vou continuar lutando pelo campeonato”, afirmou. Tem 20 pontos a menos de Felipe Massa e restam quatro provas.

Terminou, ontem, o campeonato da GP2, principal categoria de acesso à Fórmula 1, com a realização da segunda prova da décima etapa. Venceu o italiano Davide Valsecchi. O campeão já era conhecido desde sábado: o italiano Giorgio Pantano. Bruno Senna, oitavo ontem, terminou como vice-campeão, e Lucas Di Grassi, 11º ontem (cumpriu drive-through), foi terceiro na GP2, mesmo sem disputar seis corridas. Os dois negociam com várias equipes de Fórmula 1.

A reputação de Mario Theissen, diretor da BMW, e de Flavio Briatore, da Renault, como descobridores de talento entrou em xeque definitivamente ontem. Theissen tinha Sebastian Vettel na equipe, como terceiro piloto, e teve a chance de torná-lo titular. O liberou para a Red Bull. E Briatore contou com Robert Kubica no time de jovens pilotos da Renault. Também o dispensou. Junto com Lewis Hamilton, os três formam um grupo de elevadíssima capacidade que está chegando à competição.

FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.