O campeonato está salvo

liviooricchio

18 de abril de 2011 | 03h46

18/IV/11

Livio Oricchio, de Xangai

Amigos, esse é o texto da minha coluna, hoje, no JT

  Quem pode não ter gostado muito da corrida de domingo, aqui em Xangai? A competição teve todos os ingredientes desejados de um empolgante espetáculo. O saldo maior da prova, para mim, foi a descoberta, inesperada, de que McLaren, Ferrari e Mercedes tambem podem vencer, além da Red Bull.

  A Red Bull foi campeã no ano passado, depois de apenas cinco temporadas de existência, por extrema competência dos homens que a dirigem. E concebeu, este ano, o melhor carro do campeonato, o modelo RB7, com a assinatura do genial Adrian Newey.

 Mas não seria saudável para o próprio interesse da Fórmula 1 se Sebastian Vettel dominasse a disputa de forma avassaladora, como deu mostras de poder acontecer. Se forem campeões novamente terão todos os méritos. Mas se conquistarem novo título depois de uma temporada carregada de emoções, como a corrida de domingo, será melhor para a Fórmula 1.

   E depois do GP da China ficou claro que o risco de uma edição monótona do Mundial, com uma escuderia dominando, é bem menor do que parecia. Todos trabalham duro já no desenvolvimento de uma nova versão de seus carros a ser apresentada no GP da Turquia, dia 8.

  O que mais desejo, e essa é a minha aposta sobre o que irá acontecer, é que tanto Red Bull quanto McLaren, Ferrari e Mercedes cresçam relativamente de forma proporcional, ou quem sabe as três últimas um pouco mais na condição de classificação. Tudo para podermos assistir a provas como a de domingo, onde assistimos a um Felipe Massa semelhante ao que, em 2008, fez muita gente voltar a acompanhar as corridas de Fórmula 1.

  E Fernando Alonso, o mais completo piloto em atividade, na minha visão, voltou a dar mostras de ser um mau perdedor. Sua postura com a imprensa depois de ficar atrás de Massa foi outra. Não contemporizou, como costuma fazer. Criticou o carro, o mesmo carro que Massa tanto elogiou e que o permitiu, no domingo, lutar até pelo primeiro lugar.

*Texto atualizado às 19h27 de 19 de abril

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.