O casal Ecclestone e Fabiana, encantados com Madonna di Campiglio

liviooricchio

17 de janeiro de 2010 | 14h14

17/I/10
Livio Oricchio, de Madonna di Campiglio, Itália

Falar de Fórmula 1 tem hora certa para Bernie Ecclestone, promotor do campeonato. Mas se o assunto for a pequena, elegante e bela estação de esqui Madonna di Campiglio, nos Alpes italianos, o principal dirigente da Fórmula 1 parece se deixar envolver pelo clima romântico da região e se mostra sempre disponível. A namorada, a brasileira Fabiana Flosi, também se sensibilizou com o lugar. Talvez por isso os dois concordaram em conversar com O Estado, pela primeira vez juntos.

Um novo amor, a volta de Michael Schumacher à Fórmula 1 e os sensacionais arranjos entre pilotos e equipes para a temporada que vai começar dia 14 de março no circuito de Sakhir, em Bahrein, têm se refletido no estado de espírito de Ecclestone. Esteve sempre sorridente na Itália. “Vou me surpreender muito se o próximo campeonato não for um dos melhores da história”, disse o inglês.

“Estarão reunidos quatro campeões do mundo.” Aos 79 anos, vem de uma separação difícil, litigiosa e relativamente recente, pouco mais de um ano, com a croata Slavica Ecclestone, com quem teve duas filhas. Tudo o que Ecclestone deseja agora é discrição no namoro com Fabiana. No Japão, em outubro, falou: “Estamos no começo, mas um bom começo.”

O casal foi convidado pela Philip Morris, patrocinadora da Ferrari e promotora do Wrooom, evento que reúne jornalistas e integrantes do time italiano. Ontem, enquanto Ecclestone e Fabiana assistiam à competição de esqui entre os participantes do 20.º Wrooom, dentre eles Felipe Massa e Fernando Alonso, diziam-se encantados com as delícias do frio inverno nas montanhas do Dolomite, patrimônio da humanidade desde junho do ano passado.

“O que mais me impressiona é que até vir pela primeira vez, em 2009, não havia sequer ouvido falar daqui. Outras equipes da Fórmula 1, com disponibilidade financeira, deveriam organizar eventos como este, é espetacular”, afirmou Ecclestone. Estações como Cortina Dampezo, também na Itália, ou Saint Moritz, na Suíça, e Chamonix, França, são bem mais famosas e procuradas que Madonna di Campiglio, daí a surpresa de Ecclestone.

“Há tudo de bom aqui e pelo que pude comprender os preços são realistas”, disse, mencionando não ter negócios na região, como quem diz “não tenho outros interesses ao falar bem deste lugar”.

O ambiente aconchegante do evento formou um cenário perfeito para nova aparição do casal Ecclestone e Fabiana no mundo da Fórmula 1. E a distensão era tal que permitiram a publicação de uma foto juntos, com exclusividade. A personalidade dócil e o estilo discreto e espontâneo de Fabiana se encaixam sob medida no momento emocional de um dos homens mais ricos do mundo.

A edição deste ano do Wrooom foi a primeira de Fabiana. Durante uma década trabalhou na área comercial do GP do Brasil de Fórmula 1, onde conheceu Ecclestone. “Como profissional de eventos, o que posso dizer é que estou impressionada com a magnitude, complexidade e organização deste aqui. O lugar é lindo, romântico, dotado de ótima estrutura para quem esquia muito bem e para quem, como eu, está começando”, falou. “Eu também me sentiria seguro para esquiar aqui”, emendou, rindo, Ecclestone. “Há também pistas bem fáceis”, lembrou.

No topo do Monte Spinale, a 2.101 metros de altura, cercado de extensos vales cobertos de neve e pinheiros, permeados de pistas de esqui e teleféricos, Ecclestone e Fabiana sentiam-se completamente à vontade para conversar, apesar dos 8 graus negativos. Parecia não se tratar de uma entrevista.

Fabiana destacou também a atmosfera do Wrooom: “Apesar de estarmos falando de competições de esqui, corrida de carro e kart sobre o lago congelado, isso é trabalho. Me chamou a atenção o clima em que tudo se desenvolve, que não parece ser de trabalho, é tudo muito natural, sem estresse algum.”

Comentou ter se impressionado com a aproximação das pessoas que simplesmente estão na estação de esqui, esportistas, turistas, com os personagens da Fórmula 1. “Pilotos e fãs comem juntos nos restaurantes, utilizam das mesmas vias de acesso, esquiam em pistas comuns, há autógrafos, fotos, diferente do usual na Fórmula 1.”

O prefeito de Pinzolo e Madonna de Campiglio, William Bonomi, e sua secretária de turismo, Jalla Detassis, apresentaram durante o programa de entrevistas do 20.º Wrooom um projeto que está em fase já de conclusão: “Vamos inaugurar um complexo de pistas integradas na região com extensão de 150 quilômetros”, disse Detassis.

O local que tanto sensibilizou Ecclestone e Fabiana dispõe, na realidade, de grande estrutura: são 35 pistas, com 60 quilômetros de extensão, 22 teleféricos e 300 professores nas várias escolas de esqui, dentre outros recursos. Ecclestone disse o que falou ao prefeito de Pinzolo-Madonna di Campiglio: “Investir para o mundo descobrir este lugar.”

O casal pede licença para almoçar com Massa e Alonso num elegante refúgio de madeira no topo da montanha. Os dois pilotos se aproximam conversando, com a toda a indumentária de esqui. Demonstram não ter entendido como perderam a corrida com slalon para o piloto de testes da Ferrari, Giancarlo Fisichella.

Fabiana ainda lembra ao sair: “Certamente vamos comer bem de novo.” Ecclestone acena concordando. Um pouco mais tarde, o dirigente manteve-se no celular durante bom tempo. Os problemas da Fórmula 1 ainda são grandes, como as enormes dificuldades financeiras de duas novas equipes, Campos e USF1. “Não estou certo de que vão estar no grid na abertura do campeonato”, disse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: