O dia em que as equipes B venceram as equipes A

liviooricchio

13 de maio de 2007 | 17h41

13/V/07
GP da Espanha
Livio Oricchio, de Barcelona

Início
Ontem foi o dia das equipes B na Fórmula 1. A Red Bull, que compete com motor Renault, teve David Coulthard em bom quinto lugar. Já o time da Renault não foi além da sétima colocação com Heikki Kovalainen e nono, Giancarlo Fisichella. Takuma Sato, da Super Aguri, time satélite da Honda, marcou um ponto com o oitavo lugar. A matriz continua sem nada. Rubens Barrichello foi décimo e Button, 12º. Mais: Nico Rosberg, com Williams-Toyota, classificou-se em sexto, enquanto a dupla da Toyota sequer concluiu o GP da Espanha.

Robert Kubica, da BMW, teve dificuldades técnicas este ano, mas mesmo assim não mostrava-se tão capaz como em 2006. Ontem realizou muito bom trabalho ao terminar em quarto. Seu companheiro, o alemão Nick Heidfeld, poderia ter chegado ao pódio se a escuderia não tivesse falhado no primeiro pit stop (24ª volta) e mais tarde o câmbio não tivesse quebrado. Escolheu ótima estratégia. Kubica comentou a prova: “Finalmente pude disputar um GP sem problemas e o resultado está aí.” Chegou a ficar a apenas 2,5 segundos de Fernando Alonso antes do segundo pit stop. A BMW tem 23 pontos, 3ª colocada.

Além de ter produzido um carro completamente equivocado, a Honda assistiu, ontem, na sua melhor corrida este ano, seus dois pilotos se tocarem. “Eu deixei espaço para o Jenson Button e mesmo assim bateu na minha traseira”, explicou Rubens Barrichello. Depois do seu primeiro pit stop (21ª volta), Button retornou à pista imediatamente atrás de Rubinho. “Foi minha culpa”, assumiu o inglês. “Saí do box e toquei uma zebra que me jogou para a esquerda, fazendo eu bater no carro de Rubens.” Ele precisou regressar para trocar o bico do seu Honda.

Sorte e azar, dizem os céticos, não existe. Mas que esse negócio de azar persegue Kimi Raikkonen a persegue. Ele transferiu-se da McLaren para a Ferrari por buscar um carro que não quebrasse tanto, dentre outros motivos. Mas a McLaren até agora não teve um abandono e a Ferrari dois. Ontem foi sua vez. Uma problema na fiação do alternador de voltagem deixou a Ferrari sem energia. Com isso, caiu da liderança do Mundial para o quarto lugar. “Pouco a dizer”, como sempre. “Perdi pontos preciosos, mas ainda restam 13 etapas.”

Ninguém manifestou-se, ainda, na equipe Williams. Alexander Wurz tem mais no máximo três provas para provar ter sido uma contratação válida. Ontem, apesar de não ter muita responsabilidade no acidente com o patético Ralf Schumacher, Toyota, na primeira volta, de novo mostrou-se no fim de semana distante do companheiro, Nico Rosberg, excelente sexto lugar. Até agora Wurz não somou pontos, ao passo que Nico foi também sétimo na Austrália. A Williams precisa de pontos neste instante, mais que nunca. Uma troca com Kazuki Nakajima, piloto de testes, não pode ser descartada.

FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.