O pacotão maluco de Mosley

liviooricchio

18 de março de 2009 | 10h31

18/III/09

Amigos, publicamos este texto na edição de hoje, quarta-feira, no Estadão

O Conselho Mundial da FIA – entenda-se o presidente da entidade, Max Mosley – anunciou ontem a maior mudança da história na forma de se definir o campeão do mundo: ficará com o título o piloto que conquistar o maior número de vitórias. Os pontos somados servem, agora, apenas para desempatar a disputa. É exatamente oposto ao que se fazia até o ano passado.

Além de mudar o critério de definição do campeão do mundo, a FIA deliberou outras medidas para entrar em vigor este ano. O Mundial de Construtores não foi alterado. Os pontos conquistados apontam o vencedor. Vale lembrar que é esse campeonato que estabelece os valores a serem pagos pela FOM às equipes. As vitórias se prestam apenas para desempatar a disputa.

Os testes continuam proibidos na Fórmula 1 até o fim do campeonato, dia 1º de novembro em Abu Dhabi. Mas as equipes ganharam direito a três dias de testes com jovens pilotos entre a etapa de Abu Dhabi e 31 de dezembro.

Eles não podem ter participado de mais de dois GPs ou ter testado carros no máximo quatro dias nos últimos 24 meses.

As medidas atingem também as relações com a imprensa. Depois das sessões de classificação serão expostos os pesos dos carros e um integrante das escuderias deve ser designado para poder ser entrevistado pelos repórteres da TV geradora da imagem da prova.

Os pilotos terão de dedicar um tempo para autógrafos às sextas-feiras depois dos treinos livres e estarem disponíveis para a mídia se eliminados na classificação, se retirarem das corridas ou não terminar entre os três primeiros.

As atuais regras não serão alteradas até 2012 garante a FIA.

Rubens Barrichello regressou ao Brasil depois de testar o carro da Brawn no circuito de Jerez de la Frontera. Ele comentou a mudança na definição do campeão: “Eu gosto do sistema de pontos. A FIA fez isso porque acredita que em situações como a de Interlagos, no ano passado, um piloto na posição de Lewis Hamilton teria de partir para o ataque.” Mas concluiu: “Não acredito que vá mudar nossa forma de pilotar.”

Seu companheiro, Jenson Button, registrou ontem o excelente tempo de 1min17s844 (144 voltas). O campeão do mundo, Lewis Hamilton, continua com dificuldades na McLaren e fez 1min19s121 (118), quarto e último tempo.

Nelsinho Piquet pôde testar sem quebras no Renault R29. Foram 128 voltas com 1min18s382 na melhor.