Pace, na F-1 de 2011, em Montreal

liviooricchio

09 de junho de 2011 | 19h53

09/VI/11

Livio Oricchio, de Montreal

O paddock do circuito Gilles Villeneuve é único. Estende-se por cerca de 200 metros, paralelo à raia onde foram disputadas as competições de remo na Olimpíada de 1976, em Montreal. É uma faixa estreita. À direita de quem se desloca para os últimos boxes, na direção da chicane da entrada da reta de largada, encontram-se os espaços reservados às equipes, apoiados em estrutura sobre a água. À esquerda, os boxes e sua área posterior. Tá na hora de eu colocar fotos no blog. Amanhã.

Caminhando em frente onde se encontra a Ferrari, vê-se na parede da edificação sobre os boxes, destinada aos camarotes, um grande e lindo poster de José Carlos Pace. Sua face e a Brabham-Alfa Romeo BT45 de 1977, vermelha, equipada com motor Alfa Romeo e patrocinada pela Martini.

Estava na arquibancada de Interlagos, em 1977, na reta dos boxes, no ponto onde hoje é a entrada dos boxes. Lembro-me bem. Confesso que ver aquele imenso poster, com uma qualidade de impressão impressionante, me tocou. Pace duelou com James Hunt, da McLaren, no início, naquela prova. Nós nos levatávamos a cada passagem na reta. Essa corrida foi a que o asfalto se soltou na curva 3, no fim do retão, e me parece que nove pilotos se acidentaram lá.

Outra época, eu estudante de Medicina Veterinária da USP, mas já contaminado – aliás desde muito cedo – pelo vírus do automobilismo. Não podia dar outra coisa: cá estou, na sala de imprensa de Montreal, depois de uma excelente entrevista, mais um bate papo, diria, com Monisha, a CEO da Sauber.

Bem, um aguaceiro bravo como o de ontem se aproxima. Já enviei o texto de amanhã do Estado – recomendo a leitura, a história é bem legal – incrivelmente a rádio Estadão ESPN não me chamou, apesar de ter um repórter do local do evento… Hora de ir até a ponta da raia, uns 300 metros, e deixar o circuito com a navete da imprensa. Depois é só parar perto da estação de metrô para ir ao hotel. Alugar carro aqui não ajuda em nada. 

Hoje vou jantar na Old Montreal. Há restaurantes ótimos lá. E sábado, claro, desfrutar do período de lagostas por estas águas. São deliciosas e não custam muito. Recomendo. Até amanhã, pessoal.

Tendências: