Para a edição de 24/08

liviooricchio

23 de agosto de 2006 | 18h53

Reportagem de F-1: Decisão da FIA aumenta as chances de Schumacher ser campeão
GP da Turquia
Livio Oricchio, de Istambul

Início
Michael Schumacher deve iniciar a disputa do GP da Turquia, 14.º da temporada, amanhã, ainda com mais vontade do que normalmente faz. Ontem o piloto da Ferrari soube que Fernando Alonso, da Renault, não vai mesmo poder dispor mais do polêmico amortecedor de massa, sistema que auxiliava no desempenho do seu carro. O Tribunal de Apelo da FIA julgou recurso da própria entidade e concluiu que a engenhosa solução mecânica dos franceses é “ilegal.”
Depois de não mais utilizar o sistema de amortecedor de massa, nas duas últimas etapas, Alemanha e Hungria, a Renault somou apenas 7 pontos dentre os 36 possíveis. Foi seu pior desempenho no campeonato. A diferença para a Ferrari era de 21 pontos (142 a 121) depois da França, ao passo que agora, em seguida às corridas de Hockenheim e Hungaroring, está em apenas 7 pontos (149 a 142). Os números, ainda que não expliquem tudo, mostram com maior clareza o que Alonso perdeu com a decisão da FIA.
Mesmo com a vantagem sobre Schumacher na classificação, 100 a 90 pontos, as perspectivas da sua equipe nas 5 provas que restam no calendário não parecem ser as melhores. No intervalo de três semanas entrea a etapa de Budapeste a de Istambul, domingo, com toda certeza Tim Denshan, projetista do R26, carro de Alonso, repensou o que é possível para o seu modelo não perder tanta performance sem o amortecedor de massa. O R26 foi projetado para o uso do sistema.
A alegação da FIA para vetar o recurso é que ele, por interferir no controle da altura do assoalho do carro, caracteriza-se como um componente móvel do conjunto aerodinâmico. O curioso é que a Renault dispunha do sistema desde a segunda metade do campeonato do ano passado e só agora, depois do GP da França, a FIA concluiu que não respeitava o regulamento.
A imprensa italiana deu destaque, ontem, à enésima bebedeira de Kimi Raikkonen, atualmente na McLaren, mas que em 2006 será companheiro de Felipe Massa na Ferrari, segundo todas as indicações. O episódio ocorreu ainda na Hungria. A novidade, segundo a Gazzetta dello Sport, é que tudo se passou numa boate e não na festa da Red Bull, depois da corrida, conforme o divulgado pelo finlandês. Raikkonen foi surpreendido pelos policiais de trânsito.
Para receber o passaporte de volta e poder deixar o país, pagou uma multa Euros 7.500. Apesar do novo desgaste, o compromisso de Raikkonen com a Ferrari não corre risco. Agora, que a equipe italiana irá deixar debaixo do seu travesseiro uma cartilha de como se comportar em público não há dúvida. O finlandês foi o personagem do GP da Turquia na estréia da nação no Mundial, ano passado. Largou na pole position e venceu a competição. Faz calor em Istambul como em 2005. Ontem, no fim da tarde, a temperatura era de 34 graus.
FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.