Pilotos respondem: o campeonato já acabou?

liviooricchio

18 de abril de 2009 | 07h49

18/IV/09
GP da China
Livio Oricchio, de Xangai

Poucas vezes na história de 60 anos da Fórmula 1 se começou a discutir tão cedo se o campeonato já está ou não definido em favor de uma equipe como agora. O corrida da China, amanhã, será ainda a terceira do Mundial e não são poucos os que acreditam que o título ficará, necessariamente, com Jenson Button ou Rubens Barrichello, um dos pilotos da Brawn GP.

A vantagem técnica do modelo BGP 001-Mercedes lembra a da Lotus, por exemplo, em 1978. Colin Chapman, proprietário e mentor dos conceitos empregados em seus modelos, lançou o carro-asa, capaz de gerar enorme pressão aerodinâmica e ser muito mais veloz que os concorrentes. Claro que Mario Andretti, seu piloto, não teve dificuldade alguma para ser campeão com o lendário Lotus 79.

Este ano, passadas duas etapas do calendário, o modelo da Brawn demonstra possuir uma vantagem técnica semelhante. Button largou na pole position no GP da Austrália e da Malásia e venceu os dois. Como Barrichello foi segundo e quinto, a Brawn disparou na liderança entre os construtores, 25 pontos diante de 16,5 da Toyota e apenas 4 da BMW, a primeira sem o polêmico difusor.

Os pilotos opinam sobre como veem o restante do campeonato: “A não ser que a Brawn faça alguma besteira e nós possamos nos aproximar quando tivermos o novo carro, o título já é deles”, afirma Felipe Massa, da Ferrari. Seu companheiro, Kimi Raikkonen, lê a Fórmula 1 atual de maneira distinta. “É muito cedo, creio em grandes modificações na ordem de forças este ano.”

O campeão de 2008, Lewis Hamilton, pensa como Massa: “Se a diferença entre nós e Button e Barrichello não crescer muito até termos nossos carros novos, talvez seja possível lutar, ainda, pelo campeonato, mas penso que será difícil”. O polonês Robert Kubica, da BMW, é um dos talentos também da nova geração: “Em 2008 o campeão somou 98 pontos. Agora Button tem a chance de chegar a 70 antes de termos carros mais velozes. Quer dizer, sendo realista, não dá, a não ser que eles se percam, o que não acredito”.

Outro provável futuro campeão, Sebastian Vettel, da Red Bull, está ainda otimista. “Vamos ter um novo modelo na Espanha. A base de nosso projeto é fantástica. E com a prova de Barcelona serão ainda 13 para o final, ou 130 pontos possíveis. O campeonato está abertíssimo.” Para o vencedor das temporadas de 2005 e 2006, Fernando Alonso, da Renault, a situação é difícil. “Mas não impossível. Tudo irá depender da reação não só da Renault, mas de todos. Se mais times forem capazes de tirar pontos da Brawn, logo, é possível reverter sua vantagem.”

A dupla da Brawn jura que não é por razões estratégicas, mas nem lhe passa pela cabeça considerar-se sequer favorita ao título. “Conheço de perto o que equipes como a Ferrari podem fazer em pouco tempo. E nós temos dificuldades de orçamento, ainda. Campeonato absolutamente aberto”, afirma Rubinho. “Só pode ser gente com interesse em nos desestabilizar”, diz Button ao ser lembrado como principal candidato a ser campeão este ano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.