Pilotos usam criatividade para trocar noite pelo dia

liviooricchio

25 de setembro de 2008 | 15h43

25/IX/08
Livio Oricchio, de Cingapura

Quando os carros entrarem na pista hoje no Marina Bay Circuit, em Cingapura, às 19 horas (8 horas de Brasília), os 20 pilotos do grid terão usado de muita criatividade para manterem-se em vigília. A recomendação dos médicos das equipes é uma só: durmam de dia para estarem bem dispostos à noite, hora dos treinos e da corrida, domingo, a primeira a ser disputada com luz artificial.

Já hoje nos treinos livres do GP de Cingapura, 15ª etapa do campeonato, os pilotos terão uma idéia mais precisa dos desafios de conduzir à noite pela primeira vez na história da Fórmula 1 que começou ainda no dia 13 de maio de 1950, em Silverstone, Inglaterra. O que mais os preocupava, ontem, no entanto, nem era pilotar com pista iluminada, mas com o horário da programação do fim de semana.

“A largada será às 20 horas, o que no horário europeu corresponde às 14 horas, por isso temos de nos comportar, aqui, como se fosse uma etapa normal do calendário na Europa”, explicou a estrela em ascensão Sebastian Vettel, da Toro Rosso, vencedor da prova de Monza, há cerca de duas semanas. “Trouxe comigo da Suíça vários DVDs para assistir no meu laptop durante a noite. Ontem fui durmir às 4h30 e acordei às 14 horas, quando tomei café da manhã em vez de almoçar”, disse Fernando Alonso, da Renault.

“Se eles (pilotos) forem dormir quando sentirem sono e acordar espontaneamente sentirão menos os efeitos da competição nesse horário por estarem acostumados com o fuso europeu”, comentou o médico finlandês Aki Hintsa, da McLaren, chefe do comitê olímpico da Finlândia. “Estou me sentindo o verdadeiro vagabundo”, falou Rubinho, rindo. “Ontem era 3 da manhã e andava de bermuda com o Felipe Massa na pista, junto de nossas esposas. Hoje, em compensação, acordei às 14 horas, não me lembro de ter despertado tão tarde.”

Massa esteve dentre os mais assediados no belo circuito. Abordou a decisão do Tribunal de Apelo da FIA, que manteve a punição a Lewis Hamilton no GP da Bélgica. “Se eu for campeão por um ponto serei o vencedor, não muda nada.” Foi sua resposta aos ingleses que desejavam saber se, diante do fato de ter herdado a vitória na Bélgica, com a punição a Hamilton, isso não tiraria o brilho de eventual conquista do título.

O piloto da Ferrari considerou “divertido” ter de manter-se acordado. Hoje, por exemplo, a segunda sessão de treino livre vai acabar às 23 horas, meio dia de Brasília. E a última reunião com os engenheiros deve terminar por volta das 4 horas. Já amanhã, o primeiro treino livre começará apenas às 19 horas, 8 horas de Brasília. “Temos parte do dia livre”, disse Massa.

O alemão Nick Heidfeld, da BMW, contou o que lhe ocorreu na noite anterior. “Tivemos um evento do patrocinador até tarde, num clube, e às 3 da manhã boa parte da equipe ainda estava lá.” Mais: “É difícil compreender que nesse horário em fim de semana de corrida o time, dentre eles nós, os pilotos, possa estar acordado em festas”. Nelsinho Piquet pegou no sono e quando acordou, de madrugada, estava com muita fome. “Peguei o menu do serviço de quarto e única coisa que consegui comer foi um sanduichinho porque a cozinha estava fechada.”

A melhor frase até agora nos dias que antecedem o GP de Cingapura, para Rubinho, foi de Niki Lauda: “O Kimi Raikkonen será o que vai sofrer menos porque gosta da noite”. Ontem o finlandês não se esquivou de comentar seu programa de preparação. “Respondo o que meu corpo pede. Se tiver sono às 4 horas será nesse horário que irei para a cama. Qualquer coisa diferente não será natural e não representa adaptação alguma.”

Há outras implicações de competir à noite, como explicou Alonso: “As luzes no volante do nosso carro são fortes para as indentificarmos facilmente. Agora, com a luz artificial, todas serão reduzidas para não ofuscar nossos olhos”. Já a Schuberth, empresa alemã fabricante de capacetes, fornecedora do modelo de Massa, informou ter desenvolvido uma viseira que evita o reflexo das luzes, inspirada nos capacetes de pilotos de aviões de caça.

“Acho que a hora em que formos para a pista descobriremos outras coisas que teremos de trabalhar para nos adaptar a correr à noite”, afirmou Massa. Em mais um aspecto os pilotos concordaram, ontem: “Não vejo como ultrapassar nesse circuito”, palavra de Alonso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.