Pole dá a Massa boa chance de vitória

liviooricchio

10 de maio de 2008 | 13h14

10/V/08
GP da Turquia
Livio Oricchio, de Istambul

O que conta mesmo é o resultado de hoje, na corrida, depois das 58 voltas. Mas como a disputa entre Felipe Massa e Kimi Raikkonen, a dupla da Ferrari, tem se definido quase na sessão de classificação, as possibilidades de o brasileiro vencer, hoje, pela terceira vez seguida o GP da Turquia cresceram depois da tomada de tempo para o grid, ontem: Massa larga na pole position enquanto o finlandês, apenas em quarto. Entre os dois se classificou a dupla da McLaren, Heikki Kovalainen, em segundo, e Lewis Hamilton em terceiro.

“É sensacional largar em primeiro aqui pela terceira vez seguida. Este é um circuito que eu gosto muito, assim com o lugar, sou sempre muito bem recebido. Agora é dar tudo certo também na prova, mas a concorrência está próxima”, disse Massa. Nos treinos livres de sexta-feira e ontem pela manhã, tanto Massa quanto Raikkonen demonstraram ter melhor ritmo de corrida que os pilotos da McLaren e da BMW. Robert Kubica, do time alemão, sai em quinto.

Assim, se Massa largar bem, como vem fazendo, e Raikkonen não ganhar as posições de Kovalainen e Hamilton, sua chance de reduzir a diferença de 11 pontos para o companheiro de equipe no campeonato são boas. Mesmo que, eventualmente, faça seu primeiro pit stop uma volta antes de Raikkonen, o que em geral joga a favor do adversário.

“Consegui aquecer os pneus corretamente na volta de saída do box, ultrapassei o Fernando Alonso (Renault) para ter pista livre e completei uma bela volta”, explicou Massa, muito feliz. Já Raikkonen comentou o inesperado quarto tempo: “Não aqueci os pneus como deveria, o que aqui é fundamental, e ainda errei na curva que antecede a grande reta (curvas 9 e 10), o que me tirou velocidade na reta”.

Questionou se a McLaren pode enfrentar a Ferrari, hoje, como fez na definição do grid. “Precisa ver quanta gasolina cada um tem no carro.” Tudo é possível, mas ficou mais difícil Raikkonen vencer de novo, como já fez este ano na Malásia e na Espanha. “Tenho de ser realista. Se não der, o melhor será somar o máximo de pontos”, afirmou o campeão do mundo.

Os pilotos temem a temperatura baixa, 16 graus, ontem, em especial se o safety car entrar na pista. “Teremos de procurar aquecer ainda mais os pneus antes da relargada”, falou Massa. “Estamos com alguns problemas para aquecê-los em uma volta”, explicou. É o que pode contribuir para Massa enfrentar dificuldades hoje.

Kovalainen mostrou ter-se recuperado do grave acidente na prova de Barcelona, há duas semanas, ao conquistar sua melhor colocação no grid. “Apenas no começo, sexta-feira, estava um pouco nervoso, mas depois voltei ao normal”, comentou o finlandês. Já Hamilton participou de promoção teatral, volta de exibição no circuito, outros compromissos dessa natureza e acabou atrás de Kovalainen. Parece perder o foco da Fórmula 1.

No GP que irá celebrar a quebra do recorde histórico de participações em corridas de Fórmula 1, 257, Rubens Barrichello, da Honda, larga em 12º. Uma posição à frente do companheiro, Jenson Button. “Estou concentrado na corrida. A festa fica para depois”, disse. “A colocação conquistada é o máximo que o atual modelo da Honda permite.” Nelsinho Piquet, da Renault, não foi bem. “Estou profundamente desapontado. Eu largo em 17º e o Fernando Alonso sem dificuldade avançou para a última parte do treino (obteve o sétimo tempo).” O mau desempenho decorreu do desequilíbrio do carro e de ele próprio não render o que poderia, como reconheceu. A TV Globo transmite o GP da Turquia, ao vivo, a partir das 9 horas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.