Previsão de chuva: ausência do controle de tração preocupa pilotos

liviooricchio

21 de maio de 2008 | 15h02

21/V/08
Livio Oricchio, de Mônaco

As equipes trabalham com previsão de chuva para o GP de Mônaco, domingo, e ninguém menos de Fernando Alonso, da Renault, campeão do mundo em 2005 e 2006, demonstrou preocupação com a segurança. “Na última vez que andei aqui com o asfalto molhado, o controle de tração entrava até na reta dos boxes, só que agora o controle de tração está proibido”, afirmou. O espanhol, como muitos de seus colegas, acredita que bem poucos carros vão terminar a corrida caso chova mesmo.

Os treinos livres da sexta etapa da temporada começam hoje nas ruas do principado. Amanhã não haverá atividade de pista para a Fórmula 1, como manda a tradição da prova. No sábado e domingo a programação é mesma dos demais GPs. Ontem os pilotos falaram muito sobre competir em Mônaco com chuva. “Todo lugar desse traçado (3.340 metros e 19 curvas) é perigoso no molhado sem o controle de tração”, disse Felipe Massa, da Ferrari. “Já era difícil com o controle, sem ele será uma loteria. Não gosto do circuito. Se você acelerar mesmo se torna mais lento. Tem de ser uma pilotagem técnica. Prefiro Spa, Istambul, por exempo”, falou o brasileiro da Ferrari.

Até mesmo quem gosta de correr na chuva, como Rubens Barrichello, da Honda, considera um risco disputar as 78 voltas programadas para o GP de Mônaco nessa condição. “Tudo bem se você visse alguma coisa e o carro não escapasse o controle tão facilmente”, comentou. O líder do campeonato, Kimi Raikkonen, da Ferrari, prevê da mesma forma dificuldades. “Mas elas existem para todos.”

Na sua estréia nas ruas de Montecarlo, em 2001, pela Sauber, o engenheiro-chefe de pista do time suíço era o belga Jacky Eecklaert. Agora na Honda, contou ontem uma passagem curiosa do finlandês: “Kimi me comunicou pelo rádio que seu motor apagou. Conseguiu entrar no box e logo vi que era uma pane no sensor do controle de tração”, disse. “Como ele era muito jovem e inexperiente, avisei que tiraria o controle, mas que fosse muito cuidadoso. Kimi continuou veloz e conseguiu fazer ainda a sexta melhor volta da corrida.”

Caso a previsão de chuva das equipes não se confirme, a etapa de Mônaco é aguardada com ansiedade pelos pilotos que não dispõem de carro tão eficiente quanto o da Ferrari e da McLaren. Fernando Alonso é um deles. “Aqui é 50% para o carro e 50% para nós pilotos, podemos fazer a diferença. Os testes em Paul Ricard mostraram que demos mais um passo adiante, talvez nós sejamos a surpresa este ano”, afirmou o asturiano. No seu GP de número 200, Giancarlo Fisichella, da modesta Force India, expressou sua paixão pela prova: “Amo o circuito, dá para largar entre os 15 primeiros. Será difícil, mas vou tentar o primeiro ponto de nosso time.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.