Raikkonen, cada vez mais líder

liviooricchio

27 de abril de 2008 | 17h56

27/IV/08
Livio Oricchio, de Barcelona

Muito cedo, verdade, mas aos poucos o título vai ficando cada vez mais próximo de Kimi Raikkonen. A vitória fácil, ontem, no GP da Espanha, representou apenas o desfecho da sua superioridade no Circuito da Catalunha, iniciada sexta-feira, quando foi o mais veloz nos dois treinos livres, e teve prosseguimento sábado, ao conquistar a pole position da quarta etapa do campeonato.

Felipe Massa completou a segunda dobradinha da Ferrari na temporada e a diferença entre ambos cresceu de 9 para 11 pontos (29 a 18). Lewis Hamilton, da McLaren, redimiu-se do mau desempenho em Bahrein e com ótima condução, em Barcelona, completou o pódio.

Hamilton cruzou a linha de chegada apenas 4 segundos atrás de Raikkonen. Esperava-se maior vantagem da Ferrari para a McLaren e a BMW. Tá certo também que as duas entradas do safety car na prova mascararam um pouco essa diferença.

Raikkonen, atual campeão do mundo, mandou um recado para Hamilton, sentado ao seu lado, na entrevista coletiva depois da corrida, como dizendo para não se animar muito: “Poderia ter sido mais veloz, se necessário, mas como ninguém se aproximou, não foi o caso de correr riscos”. A mensagem serviu também para Felipe Massa, distante sempre 2 a 3 segundos do finlandês.

Massa cumpriu o que dissera sábado: “Se não der para vencer, vou procurar trazer para casa o máximo de pontos.” Os 8 obtidos com o segundo lugar poderão lhe ser extremamente úteis mais para a frente. Mostraram um piloto distinto do das duas primeiras etapas do Mundial. “A corrida foi definida na classificação, sábado. Eu não consegui a volta que precisava e ao largar em terceiro ficou difícil.” Sua chance de terminar em primeiro seria começar na frente de Raikkonen, explicou.

Na largada, Massa ultrapassou Alonso, o que também facilitou a dobradinha. “Se não desse eu poderia ganhar a posição no pit stop porque sabíamos que ele pararia bem antes”, falou. Alonso fez o pit stop na 16ª volta e Massa, na 19ª. Diante da vantagem técnica da Ferrari nessa fase da disputa, Massa sabe que vencer ou receber a bandeirada em segundo, atrás de Raikkonen, depende diretamente do resultado na classificação para o grid e de uma boa largada. “Fiz o máximo que dava para fazer hoje.”

A próxima etapa será na Turquia, dia 11, onde Massa venceu as duas últimas edições. “Acredito que seremos bem fortes em Istambul”, afirmou, em razão das características dos 5.338 metros do seletivo traçado. Todas as equipes treinam muito em Barcelona, o que não é o caso da pista turca. Sem tanto conhecimento do circuito, a melhor base do modelo F2008 da Ferrari deve favorecer Massa e Raikkonen. A dobradinha no GP da Espanha deu aos italianos a liderança também entre os construtores, com 47 pontos diante de 35 da BMW e 34 da McLaren.

O ídolo local, Fernando Alonso, da Renault, não terminou a prova. Na 34ª volta, quando era quinto, provável colocação final também, encostou o carro com o motor quebrado. Ao estabelecer o segundo tempo, sábado, ajudou a elevar o público no Circuito da Catalunha. Nada menos de 132.600 entusiasmados torcedores estavam nas arquibancadas.

Nelsinho Piquet, companheiro de Alonso, da mesma forma abandonou, ao ser tocado por Sebastien Bourdais, da Toro Rosso, na sexta volta. Rubens Barrichello, da Honda, também se envolveu num incidente e não concluiu a corrida. Foi com Giancarlo Fisichella, da Force India, nos boxes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.