Raikkonen, na pole, tem tudo para vencer o GP da Espanha

liviooricchio

26 de abril de 2008 | 13h01

26/IV/08
Livio Oricchio, de Barcelona

Início

O campeão do mundo, Kimi Raikkonen, da Ferrari, larga hoje na pole position do GP da Espanha, em Barcelona. “Fazia tempo”, lembrou o finlandês. Desde a prova da Bélgica do ano passado. E custou-lhe caro ser primeiro: o surpreendente Fernando Alonso, da Renault, ficou a apenas 91 milésimos.

Felipe Massa viu suas chances de vencer a segunda corrida seguida diminuírem ao não completar uma volta lançada tão boa como a primeira e sai da terceira posição. “Se não der, o importante é levar o máximo de pontos para casa”, disse. É uma nova postura.

Foi uma disputa espetacular. Primeiro Massa, depois Alonso e na sequência, com o cronômetro zerado, Raikkonen. Os três alternaram a liderança. O espanhol chegou a celebrar na reta, com a torcida indo à loucura.

Mas apenas 17 segundos depois Raikkonen restabeleceu a verdade, ao registrar 1min21s813. A Ferrari dispõe do melhor carro para vencer a quarta etapa do campeonato, no Circuito da Catalunha, como os testes da semana passada na mesma pista indicavam.

A BMW de novo mostrou-se mais veloz que a McLaren. Robert Kubica vai largar em quarto, mas entre o seu tempo e o de Raikkonen, a diferença foi de apenas 252 milésimos, o que atesta como disseram todos os pilotos, “quão dificil foi a definição do grid”. Lewis Hamilton, da McLaren, reconheceu ter dificuldades com o carro deste ano. Sai em quinto apenas.

A Ferrari terminar na frente era esperado. O que nem seus pilotos imaginavam é a Renault demonstrar tamanha velocidade. Além de Alonso em segundo, quase pole, Nelsinho Piquet chegou à última fase da classificação para ser o décimo.

“Mas é preciso ser realista, não temos ritmo de corrida. Há três times melhores que o nosso ainda, Ferrari, BMW e McLaren, por isso acredito ser difícil conseguir amanhã (hoje) algo mais que o sétimo lugar”, afirmou Alonso.

Nelsinho não falou nada sobre isso, mas a diferença de 886 milésimos para o companheiro dá a entender que deverá realizar seu primeiro pit stop cerca de 5 voltas depois. “O mais importante é que andamos para a frente.”

A Renault estreou modificações aerodinâmicas no seu R28 e, principalmente, um novo sistema de suspensão que lembra o controvertido amortecedor de massa, proibido, chamado amortecedor inercial. O novo sistema, segundo a FIA, é legal.

O Brasil terá também Rubens Barrichello, da Honda, no grid. Treinou bem: 11º. Rubinho iguala, em Barcelona, o recorde de participações em GP de Riccardo Patrese, 256. “De novo avançamos com as alterações no carro. Deu para deixar um grupinho de equipes para trás.”

Se a classificação foi de manter a torcida em pé, esse não o panorama que se espera para as 66 voltas da corrida. As dificuldades de ultrapassagem nos 4.655 metros do circuito e a provável vantagem de Raikkonen podem reduzir as emoções do GP da Espanha. A TV Globo transmite o evento ao vivo, a partir das 9 horas.

FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.