Rubinho aprova o novo carro da Honda

liviooricchio

24 de janeiro de 2007 | 20h41

A Honda lança amanhã (quinta-feira), em Barcelona, o seu novo carro. Hoje, no mesmo Circuito da Catalunha, Rubens Barrichello foi escolhido pela equipe para os primeiros treinos com o RA107, como deverá chamar-se.

“A versão aerodinâmica que usamos não é ainda a da abertura do campeonato, teremos melhorias, mas potencialmente o carro me pareceu mais competitivo que o do ano passado”, disse Rubinho. Amanhã, depois da apresentação do RA 107, voltará à pista. Jenson Button, seu companheiro, só o guiará sexta-feira.

“O modelo de 2006 gerava bastante pressão aerodinâmica, mas tinha muito arrasto, resistência ao movimento, por isso nossa velocidade de reta não era das melhores”, disse o piloto. “Trabalhamos muito nessa área”, explicou.

A baixa temperatura atrapalhou o teste da Honda. Rubinho completou 41 voltas. “O traçado foi alterado. Há uma chicane antes da penúltima curva. Os carros poderão entrar na grande reta mais próximos, o que deverá facilitar as ultrapassagens.”

Com o frio e a falta de referências do novo circuito, o ensaio serviu apenas para verificar se tudo funcionava bem no carro. Amanhã Rubinho poderá exigir mais do RA107. É o primeiro modelo concebido pós-era Geoff Willis, o responsável pelo projeto que levou a organização japonesa ao excelente vice-campeonato, em 2004.

Curiosamente, a exemplo da McLaren, se perguntarmos a alguém da equipe quem é o projetista-chefe do RA107 não obteremos resposta. A McLaren ainda expôs, recentemente, que Mike Caughaln, assina a coordenação do MP4/22. A não ser que amanhã a direção do time japonês divulgue, até agora nem o site oficial da organização especifica o maior responsávelpela obra.

Sobre Rubinho. Bati dois bons papos com ele, ontem e hoje, como não ocorria desde o fim do campeonato passado. A maioria dos brasileiros está em dúvida sobre o que ele poderá fazer no segundo ano na Honda. A desconfiança é grande, afinal em 2006, depois de seis anos na Ferrari, ao lado do melhor piloto do mundo, Michael Schumacher, ficou longe do que ele mesmo imaginava. Em especial depois da pré-temporada, quando com pneus novos o RA106 mostrava-se realmente veloz.

Questionei como via as cobranças que lhe serão feitas: “O dia que eu não me sentir competitivo eu paro de correr. Vou, sim, usar toda a importante experiência do ano passado. E dá para visualizar coisas melhores.”

Me falou mais: “Já nos testes de dezembro, ao voltar a pilotar o mesmo carro, mas com pneus Bridgestone, senti diferença. Os Michelin eram ótimos, mas eu não tirava tudo deles. É só ver o que acontecia comigo nas largdas e, principalmente, nas relargadas. Voltei a pilotar os Bridgestone, mês passado, e me senti mais à vontade. Corro com eles há tanto tempo. Mesmo sendo diferentes quanto à aderência, a construção não é distinta da que conhecia.”

A equipe bicampeã do mundo, a Renault, lançou hoje em Amsterdã, Holanda, o seu modelo para o campeonato deste ano, R27, não mais pilotado pelo excepcional Fernando Alonso, mas o estreante Heikki Kovalainen e Giancarlo Fisichella. Nos treinos da semana passada, em Valência, o R27 mostrou-se veloz e resistente, como seus antecessores, R25 e R26, dos dois títulos de Alonso.

O mau tempo continua prejudicando a Ferrari. Hoje em Vallelunga, Itália, choveu de novo. Felipe Massa, com o modelo F2007, deu 31 voltas, 1min18s767 na melhor. Kimi Raikkonen, com o carro de 2006, apenas 20 e 1min22s299 na mais rápida. A McLaren realizou teste privado em Valência. Fernando Alonso, provavelmente com o novo MP4/22, completou 67 voltas; 1min12s387 a mais rápida. A equipe, no seu comunicado, não especificou com que carro seus pilotos, Alonso, Lewis Hamilton e Pedro de la Rosa treinaram.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.