Rubinho pediu para a equipe um instante de meditação coletiva

liviooricchio

25 de maio de 2008 | 18h07

25/V/08

Rubens Barrichello, da Honda, celebrou o sexto lugar. “Nunca vi um festa tão grande por causa de três pontinhos”, falou, rindo. Desde o GP do Brasil de 2006, quando foi sétimo, não marcava pontos. Foram 22 GPs. Sexta-feira Rubinho completou 36 anos de idade. Contou, ontem, uma passagem curiosa: “Eles me deram um presente e pedi que por um segundo todos fechassem os olhos e pensassem no mesmo desejo, acabarmos nos pontos. Funcionou. Preciso, agora, abraçar os 55 integrantes da equipe. Tirei um peso das costas e abrimos uma nova fase.”

Chegou em sexto, mas o quinto lugar era o mais provável. “Perdi umas 10 voltas atrás do Trulli que estava bem mais lento e depois o Vettel me ultrapassou no pit stop porque nossa parada foi um pouco mais longa”, explicou. O alemão da Toro Rosso realizou ótima corrida e acabou em brilhante quinto, depois de largar em 18º. Jarno Trulli, da Toyota, foi 13º.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.