Schumacher diz ser o culpado pela derrota

liviooricchio

27 de agosto de 2006 | 15h52

Reportagem de F-1: Schumacher e Alonso, emoções opostas
GP da Turquia
Livio Oricchio, de Istambul

Início
Enquanto Felipe Massa dava um show de competência, ontem no Istambul Park, Fernando Alonso, Renault, e Michael Schumacher, Ferrari, disputavam quase uma corrida particular, com implicações diretas na definição do título mundial. Schumacher reconheceu em público: “Pode-se dizer que sim, perdi essa corrida ao errar na 28.ª volta na curva 8.”
O piloto da Ferrari forçou ao limite, na largada, para não perder o segundo lugar para Alonso, terceiro no grid, e conseguiu manter-se em segundo. Vinha tudo muito bem para ele e a equipe quando, na 13.ª volta, Vitantonio Liuzzi, da Toro Rosso, errou na curva 1 e deixou o carro atravessado na pista. O safety car entrou na prova por três voltas. Imediatamente a Ferrari ordenou que seus dois pilotos fossem para os boxes, bem como a Renault com Alonso, para o primeiro pit stop. Giancarlo Fisichella, companheiro do espanhol, como ocorre com frequência, errou na primeira curva depois da largada e envolveu-se num acidente, mas que o permitiria se classificar no fim em sexto.
Schumacher, por estar atrás de Massa, precisou esperar a equipe reabastecer e substiuir os pneus antes de ser atendido. Com isso, Alonso perdeu menos tempo nos boxes e saiu na sua frente, em segundo. “Não havia outra coisa a fazer”, defendeu Schumacher. Ross Brawn, estrategista da Ferrari, ordenou que colocassem mais gasolina na Ferrari do alemão, tanto que fez a segunda parada na 43.ª volta enquanto Massa e Alonso na 39.ª. “Nossa intenção era recuperar o segundo lugar no meu segundo pit stop”, explicou Schumacher.
A estratégia parecia que funcionaria, mas na 28.ª volta Schumacher perdeu o controle do carro na veloz e desafiadora curva 8. “Não sei ainda a razão, eu não era rápido nesse ponto da pista, estava difícil manter o carro na pista.” Seu tempo de volta foi 1min33s769. Na passagem anterior registrara 1min29s567, ou seja, perdeu 4 segundos 202 milésimos.
Como Schumacher retornou à corrida, em seguida à segunda parada, imediatamente atrás de Alonso, é lógico pensar que se não tivesse perdido esses 4 segundos deixaria os boxes na frente de Alonso, como a Ferrari planejara. Por isso o piloto alemão afirmou que seu erro lhe custou a vitória. Massa, como confirmou mais tarde, o deixaria ultrapassar para vencer a prova. “O campeonato não acabou. Terminará quando eu receber a bandeirada no fim da última etapa”, lembrou Schumacher, com cara de poucos amigos, ontem. Apenas elogiou Massa: “Mereceu, foi brilhante.”
Alonso não podia ser mais claro: “Consegui me colocar à frente de uma Ferrari, que era mais veloz que nós, o que já é motivo para estar feliz”, disse. “Mas temos de melhorar nas quatro provas que restam, assim com a Michelin. Nosso carro está no limite de desenvolvimento, podemos no máximo tirar mais dois décimos de segundo dele, enquanto que os pneus podem evoluir muito ainda.” Era do GP do Canadá que Alonso não somava mais pontos que Schumacher numa etapa do calendário. Aproveitou para alfinetar o companheiro, Fisichella: “Perdemos pontos importantes no campeonato de construtores porque a Ferrari marcou bons pontos com os dois carros.” A Renault ainda lidera, com 160 pontos, mas a Ferrari chegou a 158.
FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.