Schumacher, que corrida!

liviooricchio

29 de agosto de 2011 | 15h05

28/VIII/11

Livio Oricchio, de Spa

  Se havia um piloto feliz, depois da bandeira, ontem no circuito de Spa-Francorchamps, além dos vencedores, claro, era Michael Schumacher. O piloto de melhores números em todos os tempos, sete vezes campeão do mundo, por exemplo, largou em 24.º e último e recebeu a bandeirada, ao final da 44.ª volta, em quinto. O GP da Bélgica tinha forte carácter emotivo para o alemão: foi na lendária pista, favorita da maioria dos pilotos, que estreou na Fórmula 1, em 1991, pela Jordan, e modificou a história da competição.

  “Um fim maravilhoso para um fim de semana especial”, definiu Schumacher. Suas melhores colocações desde a volta à Fórmula 1, no ano passado, pela Mercedes, foram três quartos lugares, na Espanha, Turquia e Coreia do Sul. Nesta temporada, também obteve uma quarta colocação, no Canadá, mas os 10 pontos de ontem, do quinto lugar, certamente são os mais representativos desde sua volta, pela maneira com que os conquistou. As razões das suas seis vitórias no circuito belga ficaram mais evidentes ontem.

  “É uma sensação deliciosa ver que, de alguma forma, deixei 19 adversários para trás. A presença de toda a minha família aqui representou uma motivação extra para mim.” Sábado à noite Schumacher recebeu amigos da convivência nos 20 anos de Fórmula 1, reunião aberta à imprensa. Eddie Jordan, dono da equipe na qual estreou na competição, levou uma caixa com um presente. Ao abrir, Schumacher estranhou. Jordan, então, lhe explicou: “É a embreagem do seu carro naquela corrida (estreia)”.

  Logo depois da largada, Schumacher abandonou por quebra daquele componente, a embreagem do modelo da Jordan. Todos deram risada, mas o piloto guardou a peça.

  Ao falar da corrida, ontem, Schumacher comentou: “Foi incrível passar tanta gente”. Recordou-se da edição de 1995 do GP da Bélgica. “Faz tempo. Sim, larguei em 16.º e venci.” Ganhou com uma vantagem de 19 segundos para Damon Hill, da Williams. Não demonstrou lembrar: naquela prova, manteve o piloto inglês atrás de si por algumas voltas usando pneus slick, para asfalto seco, quando já chovia fino. Detalhe: Hill tinha pneus de chuva.

  De piloto a Mercedes esteve bem, ontem. Nico Rosberg, quinto no grid, fez uma largada tão eficiente que liderou a corrida até a terceira volta. “Avançamos, não há dúvida, com as modificações no carro, mas não a ponto de me manter na frente de Red Bull, McLaren e Mercedes, como vimos”, disse Rosberg. Terminou em sexto.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.