Diário. Capítulo 3: Mais vale uma imagem do que mil palavras

liviooricchio

21 de julho de 2007 | 15h07

21/VII/07

Diário de Bordo. Capítulo 3: Até onde sei, a frase, mais que oportuna para nós, tem origem no pensamento do velho e bom filósofo chinês Confúcio, 500 anos antes de Cristo: “Mais vale uma imagem que mil palavras”.

Reuni aqui algumas fotos para ilustar os dois últimos textos do Diário de Bordo, escritos em Meuspath, na Alemanha. Veja se concorda comigo sobre a dona Gertrud: não te parece aquelas matriarcas enérgicas mas sensíveis sobre quem convergem todas as decisões de família? Mais: decidiu está decidido. Última palavra!

Observe bem o senhor Theodore. Bom homem, lógico, mas ligadão na esposa. A ponto de mirar de canto de olho quem recebe seus carinhos, mesmo que apenas fraternais, como eu. Não leva a mal Teozinho, mas com todo o amor que a dona Gertrud possa emanar e gerar em quem convive com ela, mas…convenhamos…não faz o meu tipo. Tá?

Mas saibam, os dois: eu os convidaria para passar uns dias na minha casa e os serviria, pessoalmente, um gostoso café da manhã!

Casal Schneider

Vamos adiante. Falei tanto da casa dos pombinhos Schneider que não faria o menor sentido não apresentá-la. Aqui está. Visão frontal da residência, na vila de Meuspath. Observe que há uma belo espaço ao redor. Casas geminadas e não germinadas, como me disse uma amiga outra dia, e eu lhe tirei o maios sarro, pouco antes de eu cometer falha semelhante, não existem por estas bandas.

Visão frontal da casa

Vou aproveitar e postar outra foto, tirada da lateral. Observe que há a garagem e a entrada de serviço, ao lado da mesinha colocada do lado de fora. Para ir ao banheiro, o menino (muita pretensão sua, homem) aqui que vos escreve, tem de sair do mezzanino da garagem, que vocês vão conhecer na foto seguinte, passar por esse quintalzinho, abrir com a chave a porta de serviço e, no escuro, chegar ao pódio.

A fechadura dessa porta não é o máximo. Outro dia, ou melhor, noite, tarde já, depois de lhes escrever, eu perdi segundos preciosos para abri-la e, com a garoa, recordo-me de recorrer a todos os palavrões que haviam no meu arquivo. Fiquei surpreso comigo mesmo!
src=”http://blog.estadao.com.br/blog/media/Nurburgring 003.jpg” width=”418″ height=”313″ alt=”Lateral da casa” />

Mais fotos. De que adianta um quartão que ocupa quase todo o mezzanino se não há banheiro, hein? Como me sugeriram alguns leitores amigos, trarei um penico em 2009. A corrida de 2008 será em Hockenheim, não aqui em Nurburgring.

O mezzaninoJoachim Retterath

Esse é o posto do Joachim. Do outro lado da estrada, atrás das árvores, há uma cerca que isola a grande reta do traçado antigo de Nurburgring, onde o Emerson encostou sem gasolina. O Joachim ouviu o motor falhar e foi até lá.

Posto

Agora o melhor de tudo: parte da coleção de miniaturas de carros de corrida do Joachim.
Grande abraço, amigos. Vou sair daqui da sala de imprensa porque o Maurizio e o Giovanni, do restaurante La Lanterna, estão me esperando para jantar.
Voltamos a nos falar da Hungria, da linda Budapeste, combinado? Nas outras seções do blog nos veremos antes, claro!
Miniaturas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.