Vettel muito, muito à frente da concorrência.

liviooricchio

16 de novembro de 2012 | 23h23

16/XI/12

Livio Oricchio, de São Paulo

A essa altura, antes da sessão que vai definir hoje o grid do GP dos Estados Unidos, em Austin, Fernando Alonso já deve ter estudado a sua classificação na corrida de amanhã para o campeonato não acabar partindo da premissa de que o vencedor será Sebastian Vettel.

Ontem, nas duas sessões livres, o alemão foi muito mais rápido do que Alonso, que fechou o dia em terceiro. Na verdade, muito mais rápido do que todos. E para atestar a esperada adaptação do modelo RB8-Renault da Red Bull aos espetaculares 5.516 metros do Circuito das Américas, seu companheiro Mark Webber registrou o segundo melhor tempo.

Atento a todos os detalhes, como sempre, Alonso já sabe que precisará receber a bandeirada amanhã na quarta colocação, no mínimo, em caso de vitória de Vettel, para estender a decisão do Mundial para o GP do Brasil, último do calendário, dia 25. Como o atual bicampeão do mundo sempre diz, “entre dispor de um grande carro e vencer um GP há 300 quilômetros pela frente. Tudo pode acontecer.”

Ninguém questiona a máxima na Fórmula 1, mas mesmo tendo treinado pouco – permaneceu parado nos boxes cerca de uma hora por causa de um vazamento de água – Vettel registrou 1min37s718 na melhor passagem das 17 que completou. “Não creio que haverá prejuízo, entramos no ritmo muito rápido”, comentou Vettel.
Alonso esteve na pista a maior parte do tempo, deu 35 voltas, e fez 1min38s483. A diferença entre ambos foi de 765 milésimos. Webber, segundo, marcou 1min38s475 (36 voltas).

A sequência de alta velocidade formada pelas curvas 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 10 parece projetada para o refinamento aerodinâmico do modelo concebido por Adrian Newey para a Red Bull. Conduzido com extrema habilidade por Vettel, fez todos compreenderem já no primeiro dia que em condições normais será difícil Alonso, os pilotos da McLaren, Lewis Hamilton e Jenson Button, quarto e quinto ontem à tarde, bem como Webber desafiá-lo hoje na luta pela pole position e amanhã na corrida.

Webber lembrou que foi apenas o primeiro dia de atividades na pista do Texas, que agradou a todos. “A aderência vai melhorar e as coisas podem mudar”, disse.

O australiano não espera que a Red Bull repita hoje a diferença imposta ontem. Hamilton e Button lamentaram a falta de aderência mencionada por Webber para justificar a distância imposta por Vettel.

Numa corrida de Fórmula 1 há sempre espaço para uma variável nova, como queda da temperatura que faça Vettel e Webber deixarem de ser tão rápidos. A Ferrari, com Felipe Massa, autor do sexto tempo, foi a mais veloz com os pneus duros.

A Pirelli levou para o GP dos EUA os tipos duro e médio. Os melhores tempos foram registrados com os médios. Não há nada que garanta que o quadro favorável de ontem se estenda, nessa proporção, para hoje e amanhã.

Bruno Senna, da Williams, pôde treinar de manhã e à tarde – normalmente quem realiza o primeiro treino é o finlandês Valtteri Bottas. E foi bem, marcando o oitavo tempo.

A sessão de classificação, hoje, começa às 16 horas, horário de Brasília. O SporTV transmite o treino.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.