Webber despreza a Red Bull ao anunciar aposentadoria da F-1

liviooricchio

27 de junho de 2013 | 20h47

27/VI/13
Livio Oricchio, de Silverstone

A forma como Mark Webber anunciou que deixaria a Red Bull no fim da temporada, e a própria Fórmula 1, ontem no circuito de Silverstone, expressa com precisão sua revolta contra as preferências na equipe por Sebastian Vettel, seu companheiro nos quatro últimos anos.

Christian Horner, diretor da Red Bull, soube uma hora antes, apenas, de a Porsche anunciar a contratação de Webber para o seu programa no Mundial de Endurance, a partir do ano que vem. Os primeiros treinos livres do GP da Gra-Bretanha, no veloz e seletivo traçado inglês, começam hoje, às 6h, horário de Brasília.

“Mark me ligou às 9 horas para informar que não prosseguiria conosco em 2014. Não me disse nada até então. Teria sido bom se eu soubesse pelo menos uma hora antes”, disse Horner, visivelmente contrariado com o fato de seu piloto desprezá-lo. Para os jornalistas, Webber afirmou: “A decisão estava tomada desde o GP da Malásia”, segunda do ano, dia 24 de março. Sua satisfação era visível, ontem, com o constrangimento de Horner.

Nessa corrida Vettel desobedeceu a ordem de não tentar ultrapassar Webber, então líder da prova. E nada aconteceu ao alemão, tricampeão do mundo. Webber sentiu-se atingido com o ocorrido. A Porsche, várias vezes campeã do mundo na categoria protótipos, voltará ao Mundial de Endurance, onde esses carros competem, em 2014. Webber tem experiência na competição, pois foi piloto da Mercedes em 1998 e 1999.

Ao longo de seus 203 Gps na Fórmula 1, até agora, Webber venceu 9 e largou 11 vezes na pole position. Foi duas vezes terceiro no Mundial, em 2011 e 2012. Horner garantiu que o australiano terá o mesmo tratamento até a última corrida, no Brasil, dia 24 de novembro. Ele é o quinto colocado no campeonato, depois de sete etapas