Webber quebra a hegemonia de Vettel

liviooricchio

21 de maio de 2011 | 12h34

21/V/11

Livio Oricchio, de Barcelona

  Melhor tempo nos treinos livres de sexta-feira e a sua primeira pole position na temporada, estabelecida ontem, no Circuito da Catalunha. Para Mark Webber, falta apenas vencer a corrida, hoje, em Barcelona. Até agora, o australiano da Red Bull continua cumprindo o que afirmou ao Estado, quinta-feira: “O campeonato começa aqui na Espanha para mim”. 

  A pole de Webber interrompeu uma série de cinco poles seguidas do companheiro de equipe, Sebastian Vettel, segundo no grid, hoje, e líder destacado do Mundial, com 93 pontos diante de 59 de Lewis Hamilton, da McLaren, terceiro tempo, ontem. O resultado permitiu a Webber mostrar ao time que está vivo na competição. A não ser Vettel, ninguém poderia lhe tirar a primeira colocação, tal a vantagem técnica do modelo RB7-Renault da Red Bull nos 4.655 metros do traçado catalão. Hamilton foi 980 milésimos mais lento, quase um segundo.

  “Passei a compreender melhor como aproveitar mais a aderência dos pneus novos em uma volta lançada”, comentou Webber. Os pneus Pirelli, este ano, têm características distintas dos da Bridgestone, usados em 2010. “Largar na frente me permitirá, pela primeira vez este ano, administrar o primeiro e segundo stints (série de voltas até o pit stop), o que ajuda muito na corrida”, explicou.

  Mas, para isso, Webber terá de manter-se na liderança na largada, o que não será fácil. O sistema de recuperação de energia (Kers) da Red Bull não tem a eficiência do da McLaren. E Hamilton terá cerca de mais de 500 metros de aceleração plena na grande reta. “Talvez eu fique na frente deles, mas é só nessa hora”, falou Hamilton, resignado. “Eles são muito, muito mais rápidos.” Webber precisa da vitória em razão de ser quarto no Mundial e ter somado apenas 55 pontos.

  Vettel estava longe de desapontado por não dar sequência às poles. “Poderia tentar uma volta a mais, vontade não faltou em razão de não ter tirado tudo na volta que marquei o tempo, mas preferi economizar um jogo de pneus macios novo para a corrida”.

  O talento de Fernando Alonso, da Ferrari foi decisivo para registrar o quarto tempo, à frente de Jenson Button, da McLaren. Alonso marcou 1min21s964, 32 milésimos melhor do inglês. E por apenas 3 milésimos não fica na frente de Hamilton. “O carro melhorou muito do treino da manhã para a classificação. E nosso ritmo de corrida é bem mais veloz que nas definições do grid”, disse o espanhol.

  Felipe Massa, seu companheiro, não disputou um bom treino. Vai largar em oitavo, com um tempo 924 milésimos pior. Sobre ter ficado a quase dois segundos de Webber, Massa comentou: “Não me surpreende. É só ver o que a Red Bull vem fazendo este ano”. Um problema no câmbio da Williams não permitiu a Rubens Barrichello passar do Q1, primeira parte da classificação. Sai em 19.º. O GP da Espanha, em 66 voltas, quinta etapa do calendário, começa às 9 horas, de Brasília.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.